Brasil,

TOKIO MARINE SEGURADORA

A importância da 2ª dose na vacinação contra a covid-19

*Por Lucas Gabriel Ribeiro

Desde janeiro, quando foi iniciada a campanha de vacinação contra o SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19, o assunto vacina domina as esferas pública e privada. Atualmente temos menos de 15% da população imunizada e muitos questionamentos. Um deles pode ser em relação à natureza das vacinas, que são, de modo geral, antígenos que preparam o corpo (em especial os linfócitos) para quando entrarmos em contato com o vírus em situação real. Essa preparação é uma propriedade do sistema imune chamada “memória imunológica”, que pode variar conforme a tecnologia utilizada no imunizante e o intervalo aguardado entre as doses necessárias.

Por exemplo, não há estudos que distanciem a primeira e a segunda dose da CoronaVac por mais de três semanas, o que torna difícil optar por não seguir os protocolos. A estratégia inicial adotada foi imunizar o máximo de pessoas possível com a primeira dose frente a priorizar os grupos mais necessitados e já imunizá-los com a segunda dose também. A alternativa deve ser avaliada em função das características de cada vacina e do momento epidemiológico da pandemia. Por essa razão, para ter uma resposta assertiva, é necessário que haja observações por meio de estudos clínicos. Em contrapartida, adiar o intervalo entre as doses poderia, de um lado, vacinar mais pessoas, diminuindo a ocorrência de casos graves da doença e, com isso, evitando a sobrecarga de hospitais. Do outro lado da mesma moeda, caso recebam apenas uma dose e não venham receber a segunda, pode haver apenas “proteção parcial”, uma vez que o sistema imune das pessoas pode não ter quantidade suficiente de anticorpos para que a eficácia da vacina seja maior, resultando em um indivíduo ainda passível de desenvolver e transmitir a covid-19.

Um movimento recorrente e equivocado, seja com a vacina contra o coronavírus, seja contra outras patologias, como a hepatite, é não tomar a segunda dose. Considerando as vacinas hoje aplicadas, ainda não existem dados clínicos com maior rigor científico que determinem a eficácia de apenas uma dose, a exemplo da CoronaVac. O indivíduo que toma a primeira dose terá uma resposta de seu sistema imune e a consequente criação de anticorpos, mas, como os estudos atuais demonstram eficácia maior com a segunda dose, necessita-se da aplicação em duas etapas, para que haja um reforço na produção de anticorpos contra o coronavírus. Imunizar mais pessoas com apenas a primeira dose pode ser uma alternativa para reduzir o número de casos graves da doença, desafogando hospitais e agindo de modo estratégico na gestão da crise sanitária. Ainda assim, dependerá das características de cada vacina e da epidemiologia da doença.

A vacina Pfizer/ BioNTech está chegando ao Brasil, e o fabricante afirma que o intervalo deve ser maior ou igual a 21 dias, preferencialmente de três semanas. O resultado para esse intervalo vem das fases 2 e 3 dos estudos. Em Israel foi realizado um estudo de efetividade com 1,1 milhão de pessoas que receberam a vacina em um intervalo de 21 dias. No sétimo dia após a segunda dose, os resultados de proteção foram significativos: 94% em evitar a doença sintomática; 92% em evitar a doença e na mesma porcentagem evitar a doença grave; e 87% em evitar hospitalizações. Sendo assim, a recomendação de determinado intervalo deve seguir os resultados obtidos em pesquisas.

A questão é: ainda não existem testes clínicos em pacientes que tomam a segunda dose em um longo prazo após a primeira para todas as vacinas. Então é também difícil afirmar se existe algum risco à saúde caso o paciente tome apenas a primeira dose da vacina e ultrapasse o tempo recomendado da segunda. O que se sabe é que, se a proteção for parcial, esses indivíduos ainda podem estar suscetíveis a desenvolverem a covid-19 em alguma porcentagem, mas reitera-se que essa proteção parcial pode, por exemplo, diminuir os casos da doença em que internações se tornam necessárias. Para a CoronaVac e para a Pfizer/BioNTech, os protocolos estabelecidos com base nos ensaios clínicos estabelecem algumas semanas entre as doses. Qualquer administração fora do prazo avaliado necessita de estudos para nos ajudar a entender se há prejuízos na efetividade. Cada corpo reage de uma maneira.

Até a campanha de vacinação avançar, a pandemia precisa ser contida e mais estudos serem realizados. A prevenção ainda é a melhor solução.

*Lucas Gabriel Ribeiro é CSO na Crop Biotecnologia, primeira startup da área.

Sobre a CROP

Crop Biotecnolgia (Consumable Rengineered Organomolecules Pharming) é a primeira startup de biotecnologia a transformar a abordagem para doenças crônicas e de relevância, facilitando e promovendo adesão do usuário aos produtos, por meio do desenvolvimento de soluções inovadoras, trazendo a biotecnologia para perto de quem precisa, buscando solucionar os problemas atuais da área. Tem como parceiros a FAPESP, Hospital das Clínicas da UNESP de Botucatu e UNESP. Como clientes, atende Visto.bio, CAIO, DentalClean, Nchemi.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo