Brasil,

TOKIO MARINE SEGURADORA

Mulheres na tecnologia ressaltam importância de empoderamento feminino

De acordo com levantamento do Fórum Econômico Mundial, para conseguir equiparar as condições econômicas entre homens e mulheres no mundo ainda serão necessários 130 anos. Por outro lado, das dez empresas mais valiosas do mundo, cinco atualmente são de base tecnológica, conforme ranking da Forbes.

Nesse cenário, a atuação de mulheres e movimentos com o She’s Tech, que visa trazer diversidade de gênero para a tecnologia, têm sido essenciais para alcançar a equidade. A atuação de mulheres como Ciranda Morais, fundadora do movimento She’s Tech; Cynthia Zanoni, da WoMakers Code e Liliane Tie, da Women In Blockchain Brasil, está fazendo diferença para o mercado no País.

Pesquisa da Revelo mostra que, nas áreas de TI e desenvolvimento, as mulheres têm pouco mais de 10% das posições de trabalho. Quando se trata de cargos de chefia, esse percentual diminui para 8%. Para Ciranda, se as mulheres não forem mais inseridas nesse mercado aquecido, a tendência é que a disparidade econômica continue crescendo, não diminuindo com o tempo.

Além das iniciativas brasileiras pelo empoderamento de mulheres na tecnologia, movimentos mundiais têm levantado a questão, como o #HeForShe, por mais homens apoiando a igualdade de gênero, promovido pela ONU Mulheres. A pauta também faz parte dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU, sendo o 5 ODS 5º objetivo, pela igualdade entre homens e mulheres.

Incentivar mulheres no mercado de tecnologia

Uma maneira de incentivar as mulheres a ocupar os espaços no mercado da tecnologia encontrada por Ciranda foi criar um evento para levantar essas questões. Com cinco anos de existência, o movimento She’s Tech busca desmistificar esse mercado essencialmente masculino e tornar o aprendizado de tecnologia mais acessível.

Autora da Teoria das Portas de Vidro, sobre como as mulheres são afastadas da tecnologia por barreiras invisíveis, Ciranda explica que desde a infância esse distanciamento é presente. Os brinquedos, por exemplo, representam o estímulo ao desenvolvimento das atividades relacionadas ao cuidar e a outras abrangências das relações humanas. Ao chegar na adolescência, as meninas também não são incentivadas às carreiras que envolvem as ciências exatas.

As mulheres que conseguem fugir desse estereótipo e ir para as ciências exatas, segundo Ciranda, chegam a um ambiente universitário que não é inclusivo, já que tem maioria masculina. Na turma de Ciências da Computação do Instituto de Matemática e Estatística (IME), da USP, apenas 15% eram mulheres em 2016.

“O primeiro passo para quebrar as portas de vidro é se conscientizar. A Teoria das Portas de Vidro é a base do trabalho da She’s Tech, onde trabalhamos os três pilares que são inspirar a representatividade, colocar a mulher no lugar de fala, engajar, criar uma rede forte e capacitar por meio de conteúdo em ambientes seguros. O primeiro passo é a conscientização, porque não podemos mudar aquilo que não reconhecemos a existência. Queremos desmistificar heranças culturais para que a mulher sim se sinta empoderada para trabalhar com tecnologia”, resumiu Ciranda.

Iniciativa pela igualdade de gênero

As iniciativas para equidade de gênero estão cada vez mais presentes como política empresarial. Para Cynthia Zanoni, fundadora da WoMakersCode, uma comunidade global focada em ajudar, inspirar e empoderar ainda mais mulheres em tecnologia para ajudá-las a obter uma oportunidade de trabalho, a união dessas iniciativas é crucial para alcançar o sucesso e mudar a vida das mulheres que sonham em se tornar empreendedoras ou atuar como profissionais em tecnologia.

Cynthia é uma das curadoras da She's Tech Conference, um evento que faz parte do movimento e que ela considera um ambiente de pertencimento para todas as mulheres da tecnologia. Ela lembra que o legado dessa área também é feminino, reconhecido em Ada Lovelace, primeira pessoa a programar um algoritmo no mundo. “A primeira pessoa programadora da história foi uma mulher e nós, mulheres do presente e do futuro, temos capacidade de liderar a transformação digital, principalmente quando nossas diferentes identidades, raças e experiências são fortalecidas. Impulsionar a representatividade de mulheres na tecnologia é impulsionar o futuro”, pontuou.

A programadora, que foi reconhecida pela Mozilla Foundation como uma das mulheres técnicas mais influentes da América Latina, ressalta que é preciso haver políticas públicas para que as mulheres ocupem o mercado de trabalho e também condições para que elas se mantenham nele. Conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnadc), somente no início de 2020, devido à pandemia, sete milhões de mulheres saíram do mercado de trabalho.

Para Cynthia, o que pode mudar esse quadro é investir na qualificação profissional e em políticas para mudar esse cenário. “Com uma crise econômica tão evidente, investir na qualificação profissional é cada vez mais desafiador”, completa.

Esse ano, Cynthia também foi indicada pela Gama Academy como parte do ranking “50 hackers to follow”, reconhecimento que ela atribui à sua capacidade técnica, mas também à sua ousadia em ocupar os espaços. “Ser ousada e decidir que a tecnologia é o meu lugar mudou a minha vida. Eu acredito na força das mulheres e quero que a minha jornada sirva de inspiração e que meu trabalho abra mais espaço e oportunidades para mulheres”, adiantou.

Transformação digital descentralizada

De acordo com levantamento da Receita Federal do Brasil, apenas 10% das operações com criptomoedas no Brasil são conduzidas por investidores do gênero feminino. Quando se trata de atuar nos bastidores do desenvolvimento da tecnologia que envolve a blockchain, esse número tende ser igual ou menor, como ressalta a Community Builder da Women in Blockchain Brasil, Liliane Tie.

Liliane ressalta que a transformação digital acontece de maneira descentralizada, impactando diversas áreas de maneira diferente. “Blockchain é uma área que cruza conhecimentos sobre tecnologia, negócios e mercado financeiro/de capitais. Estas áreas, historicamente, contaram com baixa representatividade feminina. Apesar das empresas estarem cada vez mais engajadas, a transformação digital também está acontecendo de forma descentralizada, desafiando velhos padrões de como nos educamos, trabalhamos e ganhamos dinheiro”, explanou.

“Espaços com boa presença feminina como mulheres que já empreendem (sozinhas ou coletivamente) são um ambiente seguro para aprendermos e para ensinarmos umas às outras. Precisamos nos familiarizar cada vez mais com essa nova economia, que está levando a digitalização a um novo patamar. Imagine que praticamente tudo que tem algum valor intrínseco poderá ser ‘tokenizado’ daqui pra frente”, acrescentou.

Segundo Liliane, é importante empoderar as mulheres para estar no mercado de tecnologia para ter mais diversidade desde o desenvolvimento do algoritmo, para evitar que haja viés de indução de comportamentos por grupos dominantes.

“Nossos comportamentos já podem ser antecipados por algoritmos, mas quem está escrevendo esses códigos, esses modelos matemáticos? A gente pensa que está tomando uma decisão (de compra, de voto, etc.), mas na verdade, a gente foi induzido a se comportar de tal maneira. A mente é que foi hackeada. Precisamos de mais transparência. Quando a diversidade de um povo não está representada em ambientes de poder, a gente já viu que historicamente, os resultados foram desastrosos para a sociedade como um todo”, alertou.

Ela também lembra que pode haver uma assimetria de discursos provocada pelas bolhas nas redes sociais, dificultando que as mulheres que atuam com tecnologia tenham a visibilidade devida ou acesso a ambientes acolhedores às suas necessidades.

“Ao mesmo tempo em que estamos aprendendo, sozinhas, com amigas, em comunidades, nas empresas, etc. também vemos uma assimetria muito grande de discursos, principalmente por conta dos algoritmos das redes sociais. Mas ninguém consegue suportar uma orquestra dissonante o tempo todo. Mesmo em lugares de ruídos ou som alto, a gente sempre acha um canto e consegue conversar com quem está aberto. Acho que as empresas podem ajudar criando esses ‘cantos’ e amadurecendo junto”, observou.

A bacharela em Ciências da Computação ressalta que o mais importante para uma mulher se empoderar na tecnologia é buscar outras mulheres para atuar em rede. “Não se sentir sozinha é o primeiro passo para não desistirmos dos nossos sonhos. Principalmente no início da vida (ou de um novo ciclo) profissional, quando tudo parece mais difícil”, disse.

“Nenhum país ainda conseguiu atingir as metas do ODS 5 (Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de Igualdade de Gênero), mas movimentos como #HeForShe #ElesPorElas da ONU Mulheres, She's Tech, Women In Blockchain Brasil e tantos outros Brasil afora são importantes para lembrarmos que somos incontáveis e não estamos sozinhas. Dias ‘mulheres’ virão, fruto do amadurecimento da sociedade como um todo, mas para isso precisamos seguir plantando as sementes…”, finalizou.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo