Brasil,

Abulidu manda recado contra o racismo em nova música e clipe

Banda pernambucana lança 2ª faixa do EP homônimo nas plataformas digitais, dia 03/02

“Tais incomodado?” Questiona Abulidu, banda pernambucana afro-brasileira, em sua nova música que dá nome ao grupo e será lançada com clipe nas plataformas digitais, no dia 03/02. A faixa compõe o primeiro EP homônimo, com produção musical de Buguinha Dub, pernambucano de Olinda.

“É com esse grito cheio de histórias que a nossa banda tem a missão de conscientizar o povo de uma maneira geral, sobretudo na questão da igualdade racial”, afirma o cantor e compositor Hélio Machado.

Em um dos trechos da composição, ainda no começo, a banda diz “A língua afiada/Eu sou navalha/Cortando os conceitos/Ferindo racistas”.

Antes do momento que surge a pergunta “tais incomodado?”, o grupo finca com “Bate panela/Batia nela/E foge do debate/Na chapa quente/Abulidu mandou o recado”.

Abulidu foi a música que abriu a apresentação inédita da banda no Pré-Amp, concurso de música autoral de Pernambuco, em fevereiro de 2020. Na ocasião, conquistou o 2º lugar geral do festival. Com o pódio, o grupo formado no fim de 2019 foi premiado com um show no Carnaval do Recife, também no ano passado, no Polo Pátio de São Pedro, no centro da cidade.

“A música Abulidu surgiu como um desabafo, de uma voz de quem nasceu novamente e entendeu que existe uma guerra em si e no mundo. Essa guerra é contra o racismo. Essa faixa é uma carta escrita a ferro e sangue por nossos ancestrais que estamos lendo em voz alta para o mundo”, ressalta Hélio.

A música carrega o sentimento geral da banda, de "bulir" com as estruturas que oprimem o povo. “Esse som vem do sentimento de pele e espírito do que é ser preto em um país com origens escravistas, permeado por relações sociais fundamentadas na opressão racial”, declara Hélio.

Em maio de 2021, exatamente no dia 13, Abulidu lançou o seu primeiro single, “Quilombo Urbano”, juntamente com videoclipe, ambos disponíveis nas plataformas digitais. Além de Hélio Machado, formam a banda Thúlio Xambá (percussões e voz), Arnaldo Monte (percussões), Paulo Alves (violão e voz), Rogério A. Martins (guitarra) e Raphael César (baixo). O grupo também conta com os trabalhos técnicos de Caravela.

Clipe

O videoclipe tem como protagonistas os músicos da banda e a atriz pernambucana Clau Barros. O roteiro começa no bairro da Mangabeira, passa pelo bairro de São José e Pátio Santa Cruz, no Texas, ambos localizados no Centro do Recife, terminando o percurso nas Torres Gêmeas, no Cais Santa Rita, também na Zona Central recifense.

Na parte final do clipe, a banda cobra justiça por Miguel, criança de cinco anos de idade que morreu ao cair do 9ª andar de um edifício residencial no Recife.

Assim como no videoclipe de estreia, a produção do novo clipe é do pernambucano Rennan Peixe, cineasta, professor e fotógrafo. Ele dirigiu o trabalho com o cantor Hélio Machado. Além do processo de montagem ser realizado por Letícia Barros.

O cenário foi montado por Anderson Leite, ator, diretor e dramaturgo. Elisangela Leite e Miguel Leite na figuração. Aya Moda Étnica/Negra Dani ficou à frente do figurino, com Mandela responsável pela maquiagem.

HISTÓRIA DA BANDA

O nome Abulidu surgiu da união dos verbos transitivos abolir e bulir (gíria do Nordeste). A banda nasceu no fim de 2019, quando Hélio Machado, da comunidade Suvaco da Cobra, no município de Jaboatão dos Guararapes (Região Metropolitana do Recife), se reconheceu negro no Museu da Abolição, no bairro da Madalena, no Recife. Em seguida, encontrou outros cinco músicos pretos de origem periférica que também levantam a bandeira do movimento negro. Todos são pernambucanos.

Abulidu é uma panela preta sonora cheia de ingredientes que representa a cultura afro-brasileira. O grupo vê nessa periferia um terreno fértil para criações sobre a poética das populações marginalizadas, fazendo da música uma mola propulsora para conectar seus pares, suas realidades e suas histórias.

O grito da Abulidu passa das composições para o seu canto e quem escuta faz uma viagem às raízes africanas. A banda traz em sua sonoridade vários estilos musicais, como raga, bregafunk, rap, afrobeat, hip hop, maracatu, embolada e outros ritmos da cultura afro-brasileira.

As músicas carregam uma conversa entre cordas e percussões, além de um discurso sobre a valorização e representatividade afro-regional. Com o som dos tambores ancestrais, o grupo ‘aquilomba’ os ouvidos, toca a alma com rap, arrepia a pele com o afrobeat e bagunça as estruturas com o maracatu.

Abulidu usa a música para descortinar temas importantes para a comunidade negra e que reverberam na sociedade. Além disso, permite que outros jovens que estão nesta mesma marginalidade social possam se ver e se reconhecer nas letras sobre suas realidades.

A banda luta pela inclusão, difusão e equidade de oportunidades na cadeia da economia criativa, produzindo um trabalho autoral que dialoga com diferentes vivências e cria ferramentas para retirar ‘os pesos’ e olhares preconceituosos em relação ao som feito nas margens.

O grupo carrega em seu cerne o olhar empoderador dos corpos negros desde sua idealização, criação e execução. As questões étnico-raciais são os pilares de sustentação para produção e difusão da obra musical. Por meio da música, Abulidu propõe uma ruptura de pensamentos engessados, com um olhar na difusão das relações estabelecidas entre os indivíduos e o meio em que vivem, questionando suas visões e perspectivas frente à sociedade.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo