Brasil,

TOKIO MARINE SEGURADORA

ALLIANZ: As perdas no transporte marítimo caem, mas a guerra na Ucrânia, os problemas com as grandes embarcações, o boom da navegação e a sustentabilidade ainda preocupam (Destaque)

Crédito: pixabay.com_CC0 Creative Commons Crédito: pixabay.com_CC0 Creative Commons

A indústria marítima internacional é responsável pelo transporte de cerca de 90% do comércio mundial, portanto, a segurança dos navios é fundamental.

O setor continuou sua tendência positiva de segurança a longo prazo durante o ano passado, mas a invasão russa na Ucrânia, questões envolvendo navios cada vez maiores, crises com tripulações e congestionamento portuário, e metas desafiadoras de descarbonização, não deixaram espaço para complacência, segundo o relatório da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) Safety & Shipping Review 2022.

"O setor naval tem demonstrado enorme resiliência nos últimos anos, como evidenciado pelo boom que vemos hoje", diz o Capitão Rahul Khanna, Diretori Global de Consultoria de Risco Marine da AGCS. "As perdas totais estão em mínimos históricos - cerca de 50 a 75 por ano nos últimos quatro anos, em comparação com 200+ nos anos 90. Entretanto, a trágica situação na Ucrânia causou uma perturbação generalizada no Mar Negro e em além, exacerbando a cadeia de abastecimento, o congestionamento nos portos e os problemas de crise da tripulação causados pela Covid-19 . Ao mesmo tempo, algumas das respostas do setor ao boom da navegação, como a mudança no uso ou o prolongamento da vida útil dos navios, também são pontos atenção. Enquanto isso, o número crescente de problemas enfrentados pelas grandes embarcações, tais como incêndios, encalhamentos e operações complexas de recuperação, continua a desafiar os armadores e suas tripulações”.

O estudo anual da AGCS analisa as perdas e baixas (incidentes) de transporte marítimo relatados acima de 100 toneladas brutas. Durante 2021, 54 perdas totais de embarcações foram relatadas globalmente, em comparação com 65 um ano antes. Isto representa um declínio de 57% em 10 anos (127 em 2012), enquanto durante o início dos anos 90 a frota global estava perdendo mais de 200 navios por ano. O total de perdas de 2021 se torna mais impressionante pelo fato de que há uma estimativa de 130.000 navios na frota global hoje, em comparação com cerca de 80.000 há 30 anos. Tal progresso reflete o aumento do foco em medidas de segurança ao longo do tempo através de programas de treinamento e segurança, melhor projeto, tecnologia e regulamentação de navios.

De acordo com o relatório, houve quase 900 perdas totais na última década (892). A região marítima do sul da China, Indochina, Indonésia e Filipinas é o principal hotspot global de perdas, sendo responsável por uma em cada cinco perdas de 2021 (total 12) e uma em cada quatro na última década (total 225), impulsionadas por fatores que incluem altos níveis de comércio, portos congestionados, frotas mais antigas e clima extremo. Globalmente, os navios de carga (27) representam metade das embarcações perdidas no último ano e 40% durante a última década. Os naufrágios (afundamentos/submergidos) foram a principal causa das perdas totais durante o ano passado, representando 60% (32).

Enquanto as perdas totais diminuíram durante o ano passado, o número de vítimas ou incidentes de navegação relatados aumentou. As Ilhas Britânicas tiveram o maior número (668 de 3.000). Os danos às máquinas foram responsáveis por mais de um incidente em cada três no mundo (1.311), seguido por colisão (222) e incêndios (178), com o número de incêndios aumentando em quase 10%.

Impacto da Ucrânia: segurança e o seguro

A indústria marítima tem sido afetada em várias frentes pela situação na Ucrânia, com a perda de vidas e navios no Mar Negro, a interrupção do comércio e as crescentes sanções. Também enfrenta desafios para as operações diárias, com efeitos colaterais para a tripulação, o custo e a disponibilidade de combustível, e o potencial de risco cibernético crescente.

A situação também tem outras ramificações para um setor que já enfrenta escassez. Os marinheiros russos são responsáveis por pouco mais de 10% dos 1,89 milhões de trabalhadores do mundo, enquanto cerca de 4% vêm da Ucrânia. Eles podem ter dificuldades para voltar para casa ou se juntar a navios no final dos contratos. Enquanto isso, é provável que um conflito prolongado tenha consequências mais profundas, potencialmente remodelando o comércio global de energia e outras commodities. Uma proibição ampliada do petróleo russo poderia contribuir para aumentar o custo do combustível de navegação e impactar sua disponibilidade, levando a um potencial uso de combustíveis alternativos. Se sua qualidade for inferior às normas vigentes, isto pode resultar em sinistros de avarias de máquinas no futuro. Ao mesmo tempo, as agências de segurança continuam a alertar sobre uma perspectiva crescente de riscos cibernéticos para o setor de navegação, tais como interferência no GPS, falsificação do sistema de identificação automática (AIS) e interferência eletrônica.

"É provável que a indústria de seguros veja uma série de sinistros relacionadas a apólices de guerra de navios danificados ou perdidos em minas marítimas, ataques de mísseis e bombardeios em zonas de conflito", explica Justus Heinrich, Diretor Global de Produto, Casco, na AGCS. "As seguradoras também podem ser acionadas nas apólices de Marine com cobertura para guerra de embarcações e cargas bloqueadas ou presas em portos e águas costeiras ucranianas".

A gama evolutiva de sanções contra os interesses russos apresenta um grande desafio. A violação das sanções pode resultar em ações severas, por outro lado seu cumprimento pode também ser um fardo considerável. As sanções se aplicam a várias partes da cadeia de abastecimento de transporte, incluindo bancos e seguros, bem como serviços de apoio marítimo, o que torna o cumprimento às sanções ainda mais complexo.

Incêndios a bordo

Durante o ano passado, os incêndios a bordo do porta-veículos roll-on roll-off (ro-ro) Felicity Ace e do navio porta-contêiner X-Press Pearl resultaram em perdas totais. Os incêndios de carga são de fato uma preocupação prioritária. Houve mais de 70 incêndios somente em navios porta-contêineres nos últimos cinco anos, observa o relatório. Os incêndios muitas vezes começam em contêineres, o que pode ser o resultado da não declaração de cargas perigosas (ou de informações incorretas) , tais como produtos químicos e baterias - cerca de 5% dos contêineres embarcados podem consistir em mercadorias perigosas não declaradas. Os incêndios em grandes navios podem se espalhar rapidamente e ser difíceis de controlar, muitas vezes resultando no abandono pela tripulação, o que pode aumentar significativamente o custo final de um incidente.

Os incêndios também se tornaram um fator de perda importante para os transportadores de automóveis. Entre outras causas, eles podem começar nos porões de carga, causados por mau funcionamento ou curto-circuito elétrico nos veículos, enquanto o deck aberto pode permitir que eles se espalhem rapidamente. O número crescente de veículos elétricos (EVs) transportados por via marítima traz outros desafios, dado que os sistemas de medidas preventivas existentes podem não responder eficazmente no caso de uma chama de EV. As perdas podem ser caras, dado o valor da carga do carro e o custo da remoção dos destroços e da mitigação da poluição.

Quando grandes embarcações se deparam com problemas, a resposta de emergência e a busca de um porto de refúgio podem ser um desafio. São necessários equipamentos de salvamento especializados, rebocadores, guindastes, barcaças e infraestrutura portuária, o que acrescenta tempo e custo a uma resposta. O X-Press Pearl, que afundou depois de ter sido recusado refúgio por dois portos após um incêndio - os portos não puderam ou não quiseram descarregar uma carga com vazamento de ácido nítrico - é um dos vários incidentes em que navios porta-contêineres tiveram dificuldade em encontrar um porto de refúgio seguro . Enquanto isso, a operação de salvamento do cargueiro Golden Ray, que virou nos EUA em 2019, levou quase dois anos e custou mais de 800 milhões de dólares.

"Demasiadas vezes, o que deveria ser um incidente controlável em uma grande embarcação pode terminar em uma perda total. A operação de salvamento é uma preocupação crescente. As preocupações ambientais estão contribuindo para o aumento dos custos de salvamento e remoção de destroços, já que se espera que os armadores e seguradoras façam seu máximo para proteger o meio ambiente e as economias locais", diz Khanna. "Anteriormente, um naufrágio poderia ter sido deixado in-situ se não representasse perigo para a navegação. Agora, as autoridades querem que os naufrágios sejam removidos e o ambiente marinho restaurado, independentemente do custo. ”

Custos de salvamento mais elevados, juntamente com o ônus de perdas maiores em geral, são um custo cada vez mais suportado pelos proprietários de cargas e suas seguradoras. A "média geral", o processo legal pelo qual os proprietários de cargas compartilham proporcionalmente as perdas e o custo de salvar um bem marítimo, tornou-se um evento de frequência e de gravidade, com o aumento do número de grandes navios envolvidos em incêndios, encalhes e perdas de contêineres no mar em comparação com cinco anos atrás", explica Régis Broudin, Diretor Global de Sinistros Marine da AGCS. Isso foi declarado tanto nos incidentes Ever Forward como Ever Given. O grande navio porta-contêiner Ever Forward encalhou nos EUA em março de 2022, e ficou preso por mais de um mês antes de ser liberado, quase um ano depois que seu navio irmão, Ever Given, bloqueou o Canal do Suez.

O mundo pós-pandêmico traz novos desafios de risco

Enquanto a pandemia de Covid-19 resultou em poucos sinistros diretos para o setor de seguros marítimos, o impacto subsequente no bem-estar das tripulações e o boom no transporte marítimo e no congestionamento portuário levanta possíveis preocupações de segurança. A demanda por tripulação é alta, mas muitos marinheiros qualificados e experientes estão deixando o setor. Prevê-se uma séria carência de oficiais dentro de cinco anos.

Para aqueles que permanecem, o moral é baixo, pois as pressões comerciais, os deveres de conformidade e a carga de trabalho estão altos. Tal situação de trabalho é propensa a erros - 75% dos incidentes da navegação envolvem erros humanos, mostra a análise da AGCS.

A recuperação econômica dos lockdowns Covid-19 criou um boom para o transporte marítimo, com aumentos recordes nas tarifas de charter e frete. Embora isto seja positivo para os transportadores, as taxas de frete mais altas e a falta de capacidade dos navios porta-contêineres estão levando alguns operadores a utilizarem navios graneleiros, ou a considerar a conversão de navios-tanque para o transporte de contêineres. O uso de navios adaptados para transportar contêineres levanta questões sobre estabilidade, capacidade de combate a incêndios e fixação da carga. Os navios graneleiros não são projetados para transportar contêineres, o que poderia impactar suas características de manobra em condições climáticas adversas, e a tripulação pode não ser capaz de responder adequadamente em um incidente.

Com a alta demanda de transporte marítimo, alguns proprietários também estão prolongando a vida útil das embarcações. Mesmo antes da pandemia, a idade média das embarcações estava aumentando. Embora existam muitas frotas bem administradas e mantidas, compostas de navios mais antigos, a análise tem mostrado que navios de contêineres e de carga mais antigos (15 a 25 anos de idade) são mais propensos a sinistros, pois sofrem de corrosão, enquanto os sistemas e máquinas são mais propensos a avarias. A idade média de uma embarcação envolvida em uma perda total nos últimos 10 anos é de 28 anos.

Gargalos de navegação e congestionamento portuário

As medidas Covid-19 na China, o aumento da demanda dos consumidores e a invasão da Ucrânia têm sido fatores de congestionamento portuário sem precedentes, o que coloca as tripulações, operadores de portos e instalações sob pressão adicional. "Carregar e descarregar navios é uma operação particularmente arriscada, onde pequenos erros podem ter grandes consequências. Os portos movimentados têm pouco espaço, enquanto a mão-de-obra experiente necessária para manusear os contêineres adequadamente está escassa", explica Heinrich.

Mudança climática: problemas de transição

Com os esforços internacionais para enfrentar a mudança climática, o setor da navegação está sob crescente pressão para acelerar seus esforços de sustentabilidade, observa o relatório, dado que suas emissões de gases de efeito estufa cresceram cerca de 10% entre 2012 e 2018.

A descarbonização exigirá grandes investimentos em tecnologia verde e combustíveis alternativos. Um número crescente de navios já está mudando para o gás natural liquefeito (GNL), enquanto outros combustíveis alternativos estão em desenvolvimento, incluindo amônia, hidrogênio e metanol, assim como navios movidos a eletricidade. A transição para combustíveis alternativos provavelmente trará um risco maior de sinistros por quebra de máquinas, entre outros, à medida que novas tecnologias apareçam e as tripulações se adaptarem a novos procedimentos.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo