Brasil,

TOKIO MARINE SEGURADORA

ALLIANZ: 9 tendências para a aviação no pós-Covid-19 (Destaque)

ALLIANZ: 9 tendências para a aviação no pós-Covid-19

A súbita parada imposta à indústria da aviação pela crise do Covid-19 atingiu duramente o setor. Em abril de 2020, dois terços da frota mundial de aviação comercial ficaram ociosos, enquanto o tráfego de passageiros caiu 90% em relação ao ano anterior. Hoje, a indústria da aviação está lentamente se recuperando, liderada pelas viagens domésticas. À medida que mais aeronaves retornam aos céus, um novo relatório de aviação da seguradora Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) destaca alguns dos desafios únicos que as companhias aéreas e aeroportos enfrentam ao reiniciarem suas operações - desde pilotos "enferrujados" até infestações por insetos. Também identifica uma série de maneiras pelas quais o Covid-19 está remodelando o setor, impulsionando mudanças de longo prazo na composição da frota, rotas de voo e demanda de passageiros.

"A imobilização das frotas mundiais durante a pandemia representou um evento sem precedentes para a indústria da aviação", diz Dave Warfel, Diretor Regional de Aviação da AGCS. "As companhias aéreas têm trabalhado incansavelmente para manter suas frotas e treinar suas tripulações durante este longo período de inatividade e, como seguradoras, temos um grande interesse em trabalhar com elas para entender seus planos de retorno. Os desafios sem dúvida surgirão à medida que a indústria se preparar para decolar novamente. Embora seja difícil prever exatamente em que forma a aviação voltará, uma coisa é certa - ela estará diferente".

  1. Pilotos "enferrujados" e o retorno dos voos turísticos

No início deste ano, dezenas de pilotos relataram, para o Sistema de Relatórios de Segurança da Aviação da NASA, ter cometido erros, tais como levar várias tentativas até conseguirem pousar, citando estarem “enferrujados” como um fator de retorno aos céus. As companhias aéreas (e outros operadores) estão bem conscientes do potencial de "ferrugem" dos pilotos e continuam a tomar medidas para gerenciar e mitigar esses riscos.

As principais companhias aéreas desenvolveram diferentes programas de treinamento para os pilotos voltando ao serviço, dependendo do tempo de ausência. "Em uma época de atividade sem precedentes, é reconfortante saber que os processos de gestão de risco que tornaram as viagens aéreas mais seguras do que qualquer forma de viagem antes da pandemia continuarão a conduzir um ambiente de segurança inigualável no mundo pós-Covid-19", diz Warfel.

Entretanto, o retorno de voos para destinos turísticos pode levar a um aumento de risco para aeronaves pequenas de lazer, incluindo helicópteros, particularmente se houver um influxo de novos pilotos não familiarizados com as rotas e o terreno. Já houve uma série de acidentes fatais envolvendo voos turísticos nos últimos anos.

  1. Incidentes de "raiva aérea" em ascensão

O comportamento indisciplinado dos passageiros é cada vez mais uma preocupação, particularmente nos Estados Unidos. Em um ano típico, há cerca de 150 relatos de transtorno de passageiros em aeronaves. Em junho de 2021 foram 3.000 de acordo com a Administração Federal de Aviação - a maioria envolvendo passageiros recusando-se a usar máscara. O relatório observa que os passageiros indisciplinados podem mais tarde alegar que foram discriminados pela companhia aérea nestes casos, mesmo quando em erro - uma tendência que as seguradoras precisam manter.

  1. Riscos das frotas estacionadas

Embora uma grande parte da frota aérea mundial tenha estado - e ainda esteja - estacionada durante o Covid-19, as exposições a perdas não desaparecem. Elas mudam. As frotas estacionadas são expostas a eventos climáticos. Houve numerosos incidentes de aeronaves em terra danificadas por tempestades de granizo e furacões.

O risco de manobras ou incidentes no solo também aumenta, o que pode levar a sinistros dispendiosos. Houve uma série de colisões no início da pandemia, quando os operadores transferiram as aeronaves para instalações de armazenamento. É provável que haja mais incidentes quando as aeronaves forem movimentadas novamente antes de reiniciarem seus voos.

Aeronaves armazenadas normalmente passam por manutenções regulares para garantir um rápido retorno. Entretanto, a aviação nunca viu tantos aviões temporariamente fora de serviço e o relatório observa que as companhias aéreas menores podem enfrentar desafios significativos ao reativar frotas, já que será um processo sem precedentes.

  1. A escassez de pilotos traz riscos

Por estranho que pareça, dado o impacto do Covid-19, a indústria mundial de aviação enfrenta uma escassez de pilotos a médio e longo prazo. O enorme aumento das viagens aéreas pré-pandemia - o crescimento anual de passageiros aéreos só na China foi de 10%+ por ano a partir de 2011 - significava que a demanda dos pilotos já superava a oferta. Mais de 250 mil pilotos serão necessários durante a próxima década.

"Em países menos regulamentados, a escassez pode levar a pilotos operando aeronaves comerciais com qualificações limitadas e baixo tempo de voo em geral", diz Warfel. "A fadiga também é um risco conhecido entre os pilotos existentes e deve ser gerenciada adequadamente". Felizmente, há muita experiência e recursos disponíveis para auxiliar as empresas aéreas implementarem sistemas adequados de gerenciamento da fadiga. ”

Algumas companhias aéreas estão construindo suas próprias condutas para pilotos, estabelecendo escolas de voo. Dada a natureza do treinamento, as escolas de pilotagem são propensas a acidentes e sinistros estão se tornando mais caros com o aumento dos valores das aeronaves e o aumento da atividade. Os acidentes de pouso são mais comuns, mas as seguradoras também têm visto perdas totais.

  1. A nova geração de aeronaves traz melhorias na segurança, mas custos mais altos

Várias companhias aéreas reduziram suas frotas ou retiraram aeronaves ao longo do último ano, já que a pandemia precipitou uma mudança geracional para aeronaves menores, dado o esperado número reduzido de passageiros em aeronaves no futuro próximo.

"A nova geração de aeronaves traz benefícios em termos de segurança e eficiência", diz Axel von Frowein, Diretor Regional de Aviação da AGCS. "Entretanto, novos materiais, como compostos, titânio e ligas são mais caros de reparar, resultando em custos mais altos de sinistros".

  1. Desempenho robusto do transporte de carga aéreo: tendência contínua

Embora as viagens de passageiros tenham sido devastadas pela pandemia, outros setores da aviação tiveram um desempenho mais robusto, como os operadores de carga. Em abril de 2021, a região Ásia Pacífico relatou seu melhor mês para carga aérea internacional desde o início da pandemia, graças ao aumento da confiança comercial, comércio eletrônico e congestionamento nos portos marítimos, enquanto a capacidade de carga da América Latina para a América do Norte cresceu quase um terço em maio de 2021 em comparação com o mesmo período de duas semanas em 2019. O relatório espera que a carga aérea continue com seu forte desempenho.

  1. Viagens de negócios - boom ou fracasso?

O tráfego de viagens de negócios pré-covid-19 totalizou US$1,5 bilhão por ano ou cerca de 1,7% do PIB global. Com muitas companhias aéreas voltando atrás em suas expectativas a curto prazo, o relatório questiona se esses dias ficaram para trás. Novas formas de colaboração, como as chamadas de vídeo, provaram ser eficazes e mais empresas estão visando reduzir as viagens de negócios para melhorar sua pegada de carbono. Portanto, enquanto se prevê um pico inicial assim que os lockdowns terminarem, muitas empresas aéreas estão se preparando para uma mudança de paradigma de longo prazo nas viagens, com a expectativa de que as viagens de negócios retomem mais lentamente.

No entanto, o que indica um possível aumento é que algumas áreas da aviação executiva se mostraram resilientes durante a pandemia. As empresas que já possuíam aeronaves continuaram a utilizá-las, enquanto muitas que nunca haviam comprado ou fretado uma aeronave antes o fizeram pela primeira vez. Muitas empresas charter prosperaram.

  1. Novas rotas se multiplicam na Europa e Ásia-Pacífico

Mais de 1.400 novas rotas aéreas estão programadas para 2021 - mais do dobro das que foram acrescentadas em 2016 - impulsionadas pela Europa (mais de 600) e Ásia Pacífico (mais de 500), com os aeroportos regionais definidos como os principais beneficiários. Somente no mercado doméstico chinês, mais de 200 novas rotas foram acrescentadas - quase o mesmo que nos EUA.

"Este desenvolvimento reflete o desejo da experimentação de algumas companhias em tempos incertos, particularmente as menores", diz von Frowein. "Novas rotas significam menor congestionamento no espaço aéreo e nos aeroportos, o que pode ter um impacto positivo sobre os riscos, tais como incidentes em terra". Entretanto, voar em novas rotas pode trazer um ambiente de maior risco. ”

  1. Infestações por insetos que afetam a precisão dos instrumentos

Houve uma série de relatos de leituras de velocidade e altitude não confiáveis durante o(s) primeiro(s) voo(s) após algumas aeronaves terem deixado os hangares . Em muitos casos, o problema foi rastreado até ninhos de insetos não detectados dentro dos tubos pitot da aeronave, sensores sensíveis à pressão que alimentam um computador aviônico com dados. Tais incidentes levaram a decolagens rejeitadas e eventos de retorno. O risco de contaminação aumenta se os procedimentos de armazenamento não forem seguidos.

Impacto dos sinistros da Covid-19

O relatório também observa que a indústria da aviação tem visto relativamente poucos sinistros diretamente relacionados com a pandemia até o momento. Em um pequeno número de notificações de responsabilidade civil, os passageiros processaram as companhias aéreas por cancelamentos/interrupções.

"A Covid-19 não tem sido um condutor direto de sinistros na aviação durante o ano passado", diz Cristina Schoen, Diretoras Global de Sinistros na AGCS. "Como resultado da redução significativa nas viagens comerciais de companhias aéreas durante a pandemia, vimos menos notificações de acidentes de aviação do que veríamos durante um ano típico". Entretanto, o setor de seguros não estava imune a perdas maiores durante o curso da pandemia, com diferentes regiões vendo acidentes trágicos, aterrissagens de emergência e perdas de casco, para citar alguns exemplos. Como as viagens aéreas começam a voltar aos níveis pré-pandêmicos, esperamos que o volume de sinistros aumente de acordo".

A análise da AGCS de mais de 46.000 sinistros de seguros de aviação de 2016 até o final de 2020 no valor de mais de 14,5 bilhões de euros (17,3 bilhões de dólares) mostra que os incidentes de colisão/acidente representam mais da metade do valor de todos sinistros. Outras causas dispendiosas de perdas incluem defeitos de fabricação/manutenção e quebra de máquinas.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo