Brasil,

TOKIO MARINE SEGURADORA

Síndrome do João Bobo: O Que Acontece Com As Empresas No Mundo Pós-Pandêmico?

Por Renan Cola*

Hoje em dia, parece existir um comportamento que virou modinha nas empresas. Muitas ainda são pequenas, possuem pouca visibilidade e, consequentemente, não faturam tanto quanto gostariam. Mas, ainda assim, querem crescer e ficar do tamanho de um unicórnio. O que elas fazem? Entram em rodadas de investimento como se não houvesse o dia de amanhã.

Lá, além de muitas exigências, os donos da porra toda querem conferir se a bodega onde estão se metendo trará, de fato, rentabilidade nos meses que vierem à frente. E uma boa forma de se certificar que o risco vale a pena é verificar o grau de senioridade dos profissionais que ali trabalham, além de checar as organizações por onde passaram ao longo de suas carreiras.

Fulano trabalhou no Google? Então ele fica! Afinal, não é qualquer um que consegue entrar na terceira corporação mais importante do mundo, avaliada em US$ 458 bilhões. Sicrano veio da Amazon? Vixe! Não é preciso nem falar. Caso ainda não seja membro da equipe, vai ser trazido a preço de diamantes cravejados e ainda vai ocupar a cadeira mais alta da direção. Ponto final.

Entretanto, no meio desta salada mista corporativa bizarra, que só as startups mesmo para ter incorporado em nossas vidas ordinárias, em que lugar ficaram os “boias-frias” que estiveram com a marca desde o início? Os que carregaram o CNPJ recém-aberto nas costas e se alimentaram daquela marmita que rola tanto dentro da bolsa que mais parece um mexido?

Se um dia foram gerentes, podem se contentar com um tapinha nas costas e um “agora você vai encarar um novo desafio”: são os ditos especialistas-trouxas, que aceitaram o fardo do rebaixamento sem ao menos lutar pelo seu espaço. Agora, a bola da vez é a Jabulani! Que, além de velocíssima, ainda faz curva no ar, assim como aconteceu na C o p a de 2010.

Metáforas à parte, o que eu estou tentando dizer é: caso ainda não tenha sido atingido por ela, pegue a senha e aguarde sentado, pois a Síndrome do João Bobo está vindo atrás de você. E ela possui este nome, porque traz ao mercado de trabalho o mesmo procedimento “vai e vem” que o brinquedo infantil lançado em 1961 fazia após ser agredido por força externa.

De um lado, está a cacetada que o trabalhador-bobo leva ao ser destituído de sua função original devido à mecânica de contratação e aquisição de pessoal que o mundo pós-pandêmico trouxe. Atualmente, como ocorre a nível global, pois as fronteiras físicas não existem mais, o recrutador pode caçar pérolas em qualquer lugar do Brasil, quiçá do mundo. Bom, não?

Contudo, do outro, está o revés dado com a mesma potência em direção ao empregador-bobo, que poderá, literalmente, levar um chute na bunda. Quem estava ali e, por acaso, foi substituído por alguém mais “brilhante”, começará a pensar: “já que aqui eu não tenho mais serventia, muito menos espaço, vou dar uma olhada nas oportunidades que o mercado traz”.

E não é que do lado de fora da bolha estava cheio de oportunidade? Só nos mercados de tecnologia da informação e marketing, por exemplo, houve um aumento respectivo de 600% e 1.077% no número de postos de trabalho ofertados entre 2020 e 2021. Muitos deles, pagando salários até 300% maiores do que aqueles oferecidos antes do coronavírus assolar o planeta.

Ou seja, aqui se faz, aqui se paga. Esta é a tônica do João Bobo. Portanto, caso a sua empresa não queira ter índices de evasão de talentos acima do esperado, pondo as suas valiosas contratações do Vale do Silício a perder, comece a repensar as suas atitudes, pois elas podem ser decisivas para que o seu negócio deslanche e alcance a lucratividade que tanto quer.

Já no caso do empregado, algumas atitudes podem ser tomadas para que ele não se transforme no boboca da vez. A primeira delas é: entrou um chefão acima de você? Não fique no cantinho choramingando. Vá até o seu antigo superior e diga que gostaria de conduzir alguns projetos direto com ele. Tal medida tenderá a manter a sua visibilidade em dia.

E o que dizer de chamar o big boss para uma conversa olho no olho? Caso ele tenha roubado toda a sua autonomia, negocie algumas frentes de trabalho que possam ser tocadas sem tanto controle. Verá que, muitas vezes, meia dúzia de palavras bastam para que você retome a liberdade e a fluidez laboral com muito menos estresse e desgaste emocional.

“Ah, mas eu fiz isso tudo e não deu certo!”. Então, por que, em vez de dar murro em ponta de faca, você não decide desbravar um projeto totalmente novo na empresa? Tal medida fará com que seja visto quase como um “departamento independente”, trazendo de volta o seu brilho perdido. De quebra, você ainda pode chamar o seu novo superior para uma parceira.

Todavia, se tudo que foi dito não funcionou, é hora de dar tchau. Visite perfis no LinkedIn, faça conexões e candidate-se às vagas que chamarem a sua atenção. Verá que, no fundo, foi você que baixou as garras do lobo, desvalorizando-se. E quem não se valoriza, infelizmente, terá que viver com as migalhas, ou, quem sabe, como o eterno balancê do João Bobo.

*Renan Cola é psicanalista


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo