Brasil,

Crise sanitária só aprofunda fosso da desigualdade causada pela falta de um projeto de Estado para Educação

Por César Silva*

O final do ano de 2020 se aproxima diante de um cenário assustador imposto pelo desafio da crise sanitária. É fato que a pandemia, responsável por mais de 150 mil mortes, aprofundou o fosso que já existia independentemente de qualquer conjuntura da saúde. São mais de 13 milhões de brasileiros desempregados e as estatísticas devem continuar avançando pela falta de planejamento, estratégicas e recursos bem direcionados para a educação.

Atualmente o que preocupa é a falta de atividades educacionais, o que deixa mais de 19 milhões de jovens entre 15 e 29 anos sem estudo efetivo, ou 42% dos 47 milhões de brasileiros nesta faixa etária, segundo o IBGE. Com a pandemia, a maior parte deles ficou sem acesso a educação de maneira estruturada e contínua nos últimos seis meses.

É uma perda irreparável e a única discussão que se faz é como assegurar a progressão direta nas escolas públicas; e algum tipo de avaliação verdadeira e que traga efeito positivo nas particulares.

O Conselho Nacional de Educação definiu, em parecer publicado em setembro, que o processo de atividades remotas, não presenciais, poderá ser aplicado até o final de 2021, dado que não existe uma garantia de imunização até lá.

Mas a flexibilização de cumprimento de dias letivos, com a possibilidade de cumprimento de atividades curriculares em diversas mídias, esbarra em uma total falta de planejamento dos sistemas de ensino públicos. Vide a falta de recursos tecnológicos básicos, como conexão a internet nas regiões dos municípios mais estruturados, e principalmente, nas periferias e áreas rurais.

Os exemplos de iniciativas de sucesso que dão conta dos alunos estudando, acessando conteúdos e desenvolvendo atividades são exceções raras. Uma consequência direta da falta de planejamento e comprometimento das esferas gestoras do sistema de ensino e principalmente do MEC.

Para se ter uma ideia, a SEB – Secretaria de Educação Básica, que deveria ser o órgão articulador do MEC para criação e implantação de estratégias de apoio nacional à educação básica teve neste ano três lideranças, até agora. Uma média de um secretário a cada três meses e nenhum deles, efetivamente, abordou temas de relevância à situação de emergência da educação do país.

As escolas de educação infantil, tanto públicas como privadas, praticamente fecharam as portas. Os estabelecimentos de ensino fundamental e médio estão no impasse da reabertura a partir de setembro, outubro e novembro, dependendo do estado, com estratégia de segurança ainda questionada pelos pais e responsáveis que não decidiram se autorizam o retorno dos filhos nas atividades presenciais.

Não é muito diferente quando falamos do sistema de acesso ao ensino superior. Mesmo com a manutenção do ENEM para final de janeiro de 2021, é fato que o próprio modelo de acesso unificado denominado SISU – Sistema de Seleção Unificada – para ingresso nas universidades públicas está em discussão e em xeque.

Debates passam pelo programa de acesso gratuito às universidades privadas, o PROUNI, que troca vagas gratuitas para alunos de escolas públicas por redução de impostos; do programa de financiamento estudantil público para o ensino superior, o FIES, cuja enorme taxa de inadimplência se reforça pelo momento de insegurança; até da falta de continuidade de estudos na modalidade presencial; mas não discutem a essência que deveria ser qual a proposta de governo para a educação. Sem proposta, sem planejamento, e sem perspectivas.

Um quadro que coloca o jovem numa situação crítica, pois vai amadurecer e envelhecer sem um plano de formação para se colocar no mercado. E pior: para aquecer a economia seja como ator de produção ou como consumidor, levando o Brasil a estagnar, à parte de qualquer crise de saúde e sanitária.

O mercado de trabalho continua em busca de profissionais capacitados. Mesmo com tantos desempregados, ainda existem setores produtivos, como os de tecnologia que não conseguem atender as vagas ofertadas por total falta de mão de obra qualificada.

São inúmeras as questões não respondidas: quais os efeitos da pandemia na desigualdade futura? O aprendizado perdido poderá ser recuperado? Deve haver reprovação em 2020? As aulas presenciais deveriam voltar imediatamente?

Sem uma política clara para a educação em todos os níveis; sem um reconhecimento de que educação é um plano de Estado e não de governo; sem respeito à necessidade de investimento em estrutura, em recursos tecnológicos e na manutenção dos alunos estudando independentemente das crises que existem e daquelas que poderão vir, estamos enxugando gelo na constituição de uma nação justa e igualitária.

* César Silva é diretor Presidente da Fundação de Apoio à Tecnologia (FAT) e docente da Faculdade de Tecnologia de São Paulo – FATEC-SP há mais de 30 anos. Foi vice-diretor superintendente do Centro Paula Souza. É formado em Administração de Empresas, com especialização em Gestão de Projetos, Processos Organizacionais e Sistemas de Informação.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo