Brasil,

Construção civil denuncia abusos no aumento de preços de materiais

Construção civil denuncia abusos no aumento de preços de materiais

Associados do SINDUSCON Joinville participaram de pesquisa da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), que já encaminhou evidências da situação ao governo federal

Preocupada com os abusos no aumento de preços dos materiais de construção durante a pandemia, a indústria da construção civil no Brasil vem se movimentando para denunciar a prática e buscar alternativas. Nos últimos meses, a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) realizou duas pesquisas para confirmar as causas e consequências dos reajustes.

O levantamento contou com a participação de associados do SINDUSCON Joinville, que informaram a variação dos preços, o percentual e a data dos reajustes de materiais como cimento, bloco cerâmico, areia, brita, esquadrias, louças sanitárias, tintas, tubos e conexões, revestimentos cerâmicos, cabos elétricos, blocos de concretos entre outros itens.

Com base nas informações apuradas em todo o país, a CBIC entregou neste mês à Secretaria de Advocacia da Concorrência e Competitividade do Ministério da Economia um documento que comprova o incremento excessivo nos preços durante a pandemia e apresenta propostas para mitigar os efeitos na economia nacional.

Para o presidente da CBIC, José Carlos Martins, o reajuste é resultado da falta de oferta de produtos em quantidade suficiente para atender o mercado, uma vez que foi criado um desequilíbrio artificial por parte das empresas. “Com a insegurança inicial causada pela pandemia, em março, foi gerado um falso desabastecimento, que foi sendo aproveitado pelos fornecedores para recuperar preços. Se não houver um choque de oferta urgente, a memória inflacionária irá criar um caminho sem volta”, avalia.

De acordo com o presidente do SINDUSCON Joinville, Bruno Cauduro, é inadmissível que em um momento tão importante para a retomada da economia o setor esteja vivendo uma situação como essa. “Justamente quando se espera que o mercado tenha ética e união para garantir emprego e renda, nos deparamos com práticas abusivas com efeitos negativos para toda a sociedade. O relatório da CBIC mostra as sérias consequências à economia”, comenta.

Os impactos a que Cauduro se refere incluem, segundo a Câmara Brasileira, o risco de desemprego, aumento no custo das obras públicas, dificuldades para viabilizar programas criados para impulsionar obras de infraestrutura e redução de lançamentos no último trimestre do ano. Outro reflexo deve ser o aumento do custo dos imóveis populares no país.

Para o vice-presidente da CBIC para a Região Sul, Marco Antonio Corsini, o posicionamento nacional do setor junto ao governo federal será fundamental para evitar que a escalada de preços continue da forma que tem sido vista.

“O setor da construção civil mostrou sua capacidade de enfrentamento da crise e sua resiliência diante da pandemia, com saldo positivo de empregos superior a 8,7 mil novas vagas de janeiro a julho deste ano no país, sendo cerca de 2 mil em Santa Catarina no mesmo período. Temos reunido esforços para reduzir os impactos da crise, mas essa questão do aumento excessivo dos materiais terá reflexos na geração de empregos e no ritmo das obras. Não podemos permitir esse revés”, analisa.

*Assessoria de imprensa SINDUSCON Joinville com informações da Agência CBIC


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo