Brasil,

TOKIO MARINE SEGURADORA

Potência do Agro Brasileiro dispensa ufanismo e exageros

Por Xico Graziano, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Engenheiro Agrônomo, doutor em Administração e professor de MBA na FGV.

O Brasil ocupa o 3º lugar entre os exportadores agrícolas mundiais. E sua posição de player global no mercado de alimentos cresce fortemente. Sem medo da pandemia.

Alvissareira, tal situação tem provocado uma série de especulações sobre a importância da contribuição brasileira na alimentação mundial. Dados exagerados criaram uma espécie de ufanismo rural, como se o mundo dependesse do Brasil para comer.

Vamos aos números.

Conforme dados oficiais, a produção total de alimentos do Brasil alcançou 408 milhões de toneladas em 2020, somando-se todos os tipos de gêneros alimentícios. Desse volume total, o país exporta cerca de 152 milhões de toneladas. Em decorrência, pode-se estimar, por subtração, que permanecem no país, para abastecer a população, 256 milhões de toneladas de alimentos brutos –esses dados foram obtidos por estimativas e cálculos mostrados no meu livro “Agricultura, fatos e mitos”, páginas 283-4, 2ª edição, 2021.

Dividindo-se essa quantidade, destinada ao mercado interno, pela população brasileira, chega-se ao valor aproximado de 1.220 quilos/habitante/ano. Ou seja, repetindo, os 210 milhões de brasileiros consomem 256 milhões de toneladas brutas de alimentos.

Supondo-se esse mesmo padrão alimentar, o volume das exportações nacionais daria para alimentar, de forma integral, outros 125 milhões de pessoas pelo mundo afora.

Resultado: mantendo-se o mesmo patamar da alimentação nacional, o agro brasileiro seria capaz de alimentar, plenamente, 335 milhões de pessoas, sendo 210 milhões em seu mercado interno.

Por que, então, se fala que o Brasil alimenta até ¼ do mundo?

Uma das razões da confusão, e do exagero, existente nesta matéria advém da informação, atribuída à FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), de que a “segurança alimentar” de um povo se obtém com a oferta de 250 kg/hab/ano. Esse valor nutricional não reflete, nem de longe, a realidade do Brasil.

Confesso que jamais encontrei tal referência oficial do órgão de agricultura e alimentação da ONU. Cotejando com o padrão de consumo brasileiro (1.220 kg/hab/ano), que certamente não é dos maiores do mundo, fica evidente que a base de comparação contém algum equívoco. E leva a erros de raciocínio.

Talvez tenha sido por essa razão que a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, cautelosamente, afirme em suas declarações públicas que o Brasil oferece “algum tipo de alimento” para cerca de 1,5 bilhão de pessoas ao redor do mundo. Aí, sim.

De fato, cerca de 160 países compram alimentos brasileiros, incluindo carnes, café, açúcar, frutas e tantas outras delícias oriundas da terra tupiniquim. Suas populações encontram variados gêneros agrícolas verde-amarelos nas gôndolas de seus países. Mas obviamente não se alimentam, exclusivamente, deles.

Há um detalhe importante nessa contabilidade alimentar. Dos 250 milhões de toneladas, apenas de grãos e cereais, produzidos no Brasil, a soja e o milho representam 89,6% do total. E o maior destino de ambos, cerca de 80% do volume, segue na fabricação de ração animal.

Por isso, cuidado: não se pode contabilizar internamente 2 vezes a produção, de tantas toneladas de grãos e, depois, de carnes, ou leite e ovos. Pois uma se transforma na outra.

Na exportação, a China, por exemplo, compra milhões de toneladas de soja do Brasil. Mas o chinês não ingere nossa oleaginosa em grão, pois essa vira, ao lado de outros, componente da ração animal, fornecida aos suínos, frangos e peixes produzidos na China.

Que ninguém duvide: o Brasil caminha para se tornar, dentro de talvez uma década, o maior fornecedor mundial de alimentos e demais produtos do agro, como celulose e algodão. Trata-se de um feito extraordinário para um passado latifundiário, que sempre dependeu da importação de comida para abastecer sua população.

Enaltecer essa incrível modernização produtiva no agro nacional, trazida pela revolução tecnológica-tropical, dispensa, por si só, exageros de retórica.

Podemos nos ater aos fatos.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo