Brasil,

Um ano do Marco Legal das Startups

Artigo por Eduardo Felipe Matias e Cassio Spina*

Neste mês de junho, a Lei Complementar 182/2021, conhecida como “Marco Legal das Startups”, completa um ano de sua promulgação. Vale a pena, por isso, fazer um balanço dos erros e acertos dessa legislação criada com o objetivo de promover o empreendedorismo inovador no Brasil.

Ao contrário de outras leis com a mesma finalidade encontradas em outros países e mesmo no Brasil para outros setores, o Marco Legal das Startups brasileiro não adotou nenhum tipo de estímulo fiscal, sendo esse provavelmente o seu maior defeito, principalmente em um país em que a carga e as obrigações tributárias excessivas sufocam os negócios e pior ainda: mantendo uma situação de distorção no tratamento tributário para captação de investimento pelas startups.

A única medida desse tipo que havia sobrevivido ao período de discussão do projeto de lei que deu origem ao Marco Legal era a prevista em seu artigo 7º, que possibilitava a compensação de perdas e eventuais ganhos apurados pelo investidor em startups, como ocorre, inclusive, com os investimentos em ações de empresas listadas em bolsa de valores, de menor risco e maior liquidez. Essa disposição, no entanto, foi vetada quando da aprovação do Marco Legal das Startups, veto esse que, recentemente, poderia ter sido derrubado no Congresso Nacional, oportunidade que foi perdida, mantendo uma situação de desequilíbrio no tratamento tributário.

A essa distorção se soma outra, da mesma espécie, que embora tenha sido objeto de discussão durante o processo de construção da LC 182, também não foi resolvida. Esta consiste no fato de que os investimentos em startups recebem o mesmo tratamento fiscal dos fundos de renda fixa – sem falar em outras aplicações, como as letras de crédito imobiliário e do agronegócio, que são isentas. Mais uma vez neste caso, é evidente a tendência a que o investidor acabe optando por, em vez de alocar seus recursos em um negócio nascente e de maior risco, fazê-lo em aplicações mais seguras ou com menor tributação. O resultado, com isso, é o oposto a aumentar a oferta de capital para o empreendedorismo inovador, que o próprio Marco Legal das Startups elenca como uma das razões de sua existência.

Não foi adiante, também, a proposta de que as startups pudessem optar pelo regime do Simples Nacional sem precisarem se submeter a algumas das proibições que atingem outras empresas – como a de serem constituídas na forma de sociedades anônimas, o que permitiria que as startups adotassem um tipo societário que é considerado pelos investidores como mais atraente e, ainda assim, pudessem aderir a esse regime fiscal mais adequado ao seu porte.

Na área trabalhista, fracassou a tentativa de regular os planos de opção de compra de ações (stock options), o que conferiria maior segurança jurídica a uma prática que é muito importante para o setor, ainda mais neste momento em que a difusão do trabalho à distância e a baixa oferta e alta procura por mão de obra especializada podem levar as empresas brasileiras a perderem talentos para concorrentes estrangeiras que ofereçam esse mesmo benefício.

Isso não significa, é claro, que a nova lei não tenha trazido alguns pontos positivos. É o caso das disposições voltadas a simplificar as regras aplicáveis às sociedades anônimas, ou daquelas que visam promover a criação dos chamados “sandboxes regulatórios”, ambientes experimentais com condições especiais simplificadas nos quais os órgãos competentes podem autorizar temporariamente o teste de modelos de negócios e tecnologias inovadoras. Destaca-se, também, o novo regime especial de contratação de soluções inovadoras pela administração, que já vem sendo adotado em alguns casos e que tem o potencial de propiciar ganhos de escala às startups que tenham produtos e serviços capazes de trazer respostas para desafios do setor público.

Logo, o Marco Legal das Startups trouxe algumas vitórias, mas ainda há um longo caminho pela frente se quisermos assegurar um ambiente de negócios para essas empresas no País que as torne globalmente competitivas, lembrando que o Brasil é o único país dos BRICS que ainda não adotou as políticas recomendadas pela OCDE de estímulo para atração de investimentos para startups. Para atingir essa meta, é necessário resgatar, por meio de novos projetos, pontos importantes que ficaram de fora da LC 182/21. Caso contrário, comeremos poeira nessa corrida que, baseada em tecnologia e inovação, é cada vez mais veloz. Precisamos ter pressa.

*Eduardo Felipe Matias e Cassio Spina lideram o Comitê de Startups da Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES)

Sobre os autores

Cassio Spina é Engenheiro eletrônico formado pela Escola Politécnica da USP, foi empreendedor por 25 anos na área de tecnologia, atualmente exercendo a atividade de advisor em inovação, fusões e aquisições (M&A) e Corporate Venture; atua ainda como investidor anjo em startups e conselheiro de empresas. É o fundador e Presidente (pro-bono) da Anjos do Brasil, organização sem fins lucrativos de fomento ao investimento anjo e Senior Director da ACE Cortex, consultoria de inovação, Corporate Venture e M&A. Também é colunista/colaborador de diversas publicações, mentor Endeavor, autor dos livros “Dicas e Segredos para Empreendedores” e "Investidor-Anjo - Como Conseguir Investimento para seu Negócio", membro dos Comitês: CEICS-VC da ABVCAP, do Conselho de Economia Digital e Inovação (CEDI) da FECOMERCIO/SP e da Comissão de Startups do IBGC, sendo Professor em Governança para Startups do IBGC e Coordenador Líder do Comitê de Startups da ABES - Associação Brasileira das Empresas de Software e Criador do curso de "Board Advisor de Startups". Site Cassio Spina

Eduardo Felipe Matias é Sócio da área empresarial do escritório Elias, Matias Advogados, que abrange a área de Inovação e Startups e visiting scholar na Universidade de Stanford, na California. Coordenador do livro “Marco Legal das Startups: Lei Complementar 182/2021 e o fomento ao empreendedorismo inovador no Brasil”, foi nomeado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e pela União Europeia para conduzir o estudo “Sharing Good Practices on Innovation”. Duas vezes ganhador do Prêmio Jabuti nas categorias Economia, Negócios e Direito, pelos livros “A Humanidade e suas Fronteiras: do Estado soberano à sociedade global” e "A Humanidade contra as Cordas: a luta da sociedade global pela sustentabilidade", e autor de mais de 100 artigos publicados em diversos meios de comunicação do País. Doutor em Direito Internacional pela USP, onde também se graduou. Pós-doutorado pela IESE Business School, na Espanha, D.E.A. em Direito Internacional pela Universidade de Paris II Panthéon-Assas, foi visiting scholar na Columbia University em Nova York e na Universidade da California – Berkeley. É Vice-Presidente da Comissão de Startups da OAB/SP e Líder do Comitê de Startups da Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES). LinkedIn: Eduardo Felipe Matias

Sobre a ABES

A ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) tem como propósito contribuir para a construção de um Brasil mais digital e menos desigual, no qual a tecnologia da informação desempenha um papel fundamental para a democratização do conhecimento e a criação de novas oportunidades para todos. Nesse sentido, tem como objetivo assegurar um ambiente de negócios propício à inovação, ético, dinâmico, sustentável e competitivo globalmente, sempre alinhado a sua missão de conectar, orientar, proteger e desenvolver o mercado brasileiro da tecnologia da informação.

Atualmente, a ABES representa aproximadamente 2 mil empresas, que totalizam cerca de 85% do faturamento do segmento de software e serviços no Brasil, distribuídas em 24 Estados brasileiros e no Distrito Federal, responsáveis pela geração de mais de 210 mil empregos diretos e um faturamento anual da ordem de R$ 80 bilhões em 2020.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo