Brasil,

TOKIO MARINE SEGURADORA

Planos empresariais e coletivos podem sofrer abuso de planos de saúde

  • Escrito ou enviado por  Luciano Correia Bueno Brandão/estilo press / IMAGEM: FreeImages.com
  • Adicionar comentario
  • SEGS.com.br - Categoria: Seguros
  • Imprimir

Planos empresariais e coletivos podem sofrer abuso de planos de saúde

O consumidor pode questionar os reajustes anuais dos planos coletivos?

Como se sabe, existem basicamente três tipos de contratos de planos de saúde. Os individuais/familiares, os empresariais (normalmente contratados por empresas como benefício a seus empregados) e os coletivos por adesão (contratados por intermédio de sindicatos, associações de classe etc.). A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fixa todos os anos o teto dos reajustes anuais que podem ser aplicados aos planos individuais e familiares. Neste ano de 2016, por exemplo, o percentual autorizado para estes planos foi de 13,57%.

Por outro lado, os planos empresariais e coletivos por adesão não têm fiscalização rígida por parte da ANS, principalmente no tocante aos reajustes aplicados. O resultado é que beneficiários de planos coletivos vêm sendo surpreendidos com reajustes anuais de 20%, 25% e até 30%. A questão que se coloca é: o consumidor pode questionar os reajustes anuais dos planos coletivos? A resposta é sim.

Ainda que a ANS não fixe o teto dos reajustes dos planos coletivos, o Código de Defesa do Consumidor se aplica aos contratos de planos de saúde, e percentuais abusivos e injustificados podem ser questionados judicialmente. Neste sentido, já decidiu a Justiça em São Paulo:

"PLANO DE SAÚDE. Contrato coletivo. Reajuste anual firmado fora dos limites previstos pela ANS. Abusividade. Contratos de cunho coletivo que também devem sofrer reajustes conforme ditado por este órgão regulador. Aceitar um aumento sem qualquer parâmetro é chancelar um desequilíbrio contratual e patente mácula ao princípio da boa-fé objetiva que deve observar os contratos. Ademais, seguradora que não fez qualquer prova da legalidade e necessidade deste reajuste. Precedentes deste tribunal e do STJ. Recurso desprovido".

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) já decidiu que: "(...) A variação unilateral de mensalidades, pela transferência dos valores de aumento de custos, enseja o enriquecimento sem causa da empresa prestadora de serviços de saúde, criando uma situação de desequilíbrio na relação contratual, ferindo o princípio da igualdade entre as partes. O reajuste da contribuição mensal do plano de saúde em percentual exorbitante e sem respaldo contratual, deixado ao arbítrio da parte hipersuficiente, merece ser taxado de abusivo e ilegal".

O entendimento que tem prevalecido nos Tribunais é de que os reajustes não podem ser aplicados de forma aleatória, sem a devida informação ao consumidor e colocando-o em situação de onerosidade excessiva.

Ou seja, o consumidor lesado pode questionar judicialmente os aumentos aplicados de forma unilateral, sem demonstração efetiva do seu cabimento, e em percentuais que sejam considerados abusivos, inclusive pleiteando a devolução dos valores pagos a maior.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

Separador
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
Separador
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
Separador

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo

Notícias ::

Mais Itens ::

NEWSLETTER SEGS