Brasil,

TOKIO MARINE SEGURADORA

Tendências na Indústria de fertilizantes e defensivos agrícolas no Brasil: como se preparar

Por Robinson Cannaval Junior *

A cadeia de produção de alimentos vive um momento de grandes transformações, impulsionado por fenômenos recentes ou pela aceleração exponencial de tendências. A evolução da biotecnologia, as transformações climáticas, a mudança do comportamento dos consumidores (consumo consciente) e a automação, entre tantos outros exemplos, de maneira isolada poderiam vir a ter um impacto significativo sobre o setor do agronegócio. Em conjunto, essas tendências poderão redefinir a estrutura, a conduta e o desempenho das empresas no segmento.

O mercado de insumos agrícolas tem assistido a grandes movimentações: internacionalmente, fusões e aquisições entre grandes players da indústria e, no Brasil, aquisições de distribuidores tradicionais por investidores estratégicos e fundos. Mesmo após a onda recente de aquisições por investidores estratégicos e fundos de investimentos, o mercado brasileiro de insumos ainda é bastante fragmentado: os cinco maiores distribuidores são responsáveis por apenas 6% do mercado. O restante se divide em cooperativas (27%), venda direta (25%) e a soma de outros distribuidores (42%). Nos Estados Unidos, para se ter uma comparação, os cinco maiores distribuidores são responsáveis por 39% do mercado.

O Brasil é o principal mercado mundial de defensivos agrícolas, mas seu uso é mais eficaz no país que em outros países produtores. O volume comercializado de fertilizantes tem aumentado em praticamente todas as safras, mas a participação de empresas brasileiras nesse mercado vem decrescendo desde 2016. De acordo com os dados da ANDA, o ano de 2018 fechou com 35,7 milhões de toneladas de fertilizantes entregues, sendo 23% desse volume de produto nacionais. Em 2016, essa porcentagem foi de 27% para 33,5 milhões de toneladas. A oferta de fertilizantes no Brasil está concentrada em quatro fornecedores e um deles entrou com pedido de recuperação judicial no primeiro trimestre deste ano.

Ainda no comparativo do mercado, os fertilizantes especiais, de alto valor agregado, têm tido um crescimento de 18% a.a., muito acima do mercado como um todo. Este segmento já movimenta quase R$ 8 bilhões, dos quais 70% vêm de fertilizantes foliares.

Apesar do forte componente de importação e da concentração de fornecedores, os preços de fertilizantes não têm conseguido acompanhar o dólar nos últimos anos. O mercado segue de perto os preços da soja com a relação sacas de soja por toneladas de produto estáveis entre 2014 (19,8) e 2018 (20,6).

Em se tratando de fatores externos, as pressões biológicas, regulatórias e jurídicas colocam em xeque a continuidade no uso do glifosato, principal defensivo químico para a agricultura. Porém, ainda não existem produtos que possam substituí-lo com igual eficácia.

O assunto é delicado e deve ser visto de vários prismas: são apurados quase 500 casos de ervas daninhas resistentes ao glifosato no mundo e, em 2019, a empresa responsável recebeu condenações no montante de cerca de US$ 2,3 bilhões por danos à saúde de pessoas expostas ao glifosato. Alguns países têm estudado banir o uso de glifosato, por pressões ambientais. A Alemanha já anunciou o início da descontinuidade no uso do herbicida, que deve ser totalmente banido do país até 2023. Contudo, o banimento do glifosato também pode ter efeitos ambientais negativos, como a pressão pelo aumento de área cultivada, o aumento de emissões de gases de efeito estufa (menor eficiência na produção e transporte de alimentos) e o aumento do uso de defensivos menos eficazes.

Ainda falando do mercado, os produtores brasileiros têm buscado cada vez mais alternativas para a redução de custos com defensivos agrícolas. Como consequência, produtos genéricos e uso de controle biológico de pragas têm tido destaque. Em 2015, os genéricos tinham uma fatia de 38% dos defensivos. Apenas dois anos depois, em 2017, já correspondiam a 51% do mercado.

É preciso que os players estejam então, cada um em sua área (produtores agrícolas, distribuidores e indústria) atentos a uma série de perguntas, como o que o mercado quer (visando desde concorrentes até o consumidor final), as tendências de consumo do produto direta e indiretamente, além de acompanhar as tecnologias existentes e as novas que chegam no setor.

Sobre o futuro, a chegada da chamada “agricultura 4.0”, trazendo tecnologias que prometem reduções de até 90% no volume de aplicações de alguns produtos, pressionará a indústria a rever seus modelos de negócio. Uma hipótese é que ao invés de vender litros ou quilos de produto, a indústria terá que pensar o seu negócio como provedor de soluções integradas de produtividade.

Em resumo, o Brasil é um grande mercado de fertilizantes e defensivos, porém movimentações recentes e novas tecnologias aumentam a complexidade de competição neste mercado. E os players, tanto da indústria, como distribuidores de insumos e os produtores do agronegócio, que quiserem se manter terão que encarar esses novos fatores determinantes de frente e se preparar para esse novo mercado em constante mutação.

Clique na imagem para baixá-la em alta resolução.

Robinson Cannaval Jr – Sócio fundador e diretor do Grupo Innovatech, Diretor executivo da Innovatech Consultoria, Formado em Engenharia Florestal pela ESALQ/USP, com especialização em Gestão estratégica de Negócios pela Unicamp e MBAs em Finanças e Valuation pela FGV.


Compartilhe:: Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...:
 
https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

<::::::::::::::::::::>
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
<::::::::::::::::::::>
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar e sera atendido. -  Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
<::::::::::::::::::::>

Adicionar comentário

Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Ferramenta Automatizada...IMPORTANTE: COMENTÁRIOS com LINK são bloqueados automaticamente (COMMENTS with LINKS are automatically blocked.)...Sucesso!


voltar ao topo