Brasil, 14 de Novembro de 2018

+ F O N T E -

Recém-descobertos, pequenos peixes estão em perigo

Recém-descobertos, pequenos peixes estão em perigo

Medindo cerca de 3 centímetros, espécies endêmicas do Cerrado brasileiro estão ameaçadas de extinção por falta de conhecimento da população

Dentro do projeto que teve início em 2011 no estado do Rio Grande do Sul (RS), o Instituto Pró-Pampa (IPPampa) descobriu três novas espécies de peixes, desta vez na região do Cerrado, em Mato Grosso do Sul.

O trabalho, já finalizado com o financiamento da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, é resultado de uma extensão do projeto Peixes Anuais dos Campos Sulinos, que teve apoio ainda do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), no contexto do Plano de Ação Nacional para Conservação dos Peixes Rivulídeos.

Diferente das espécies de killifishes descobertas nos campos sulinos, que possuem ciclo de vida anual e que habitam exclusivamente ambientes aquáticos sazonais, que passam por períodos de seca, os peixes descobertos no Cerrado são conhecidos como killifishes de ciclo de vida não anual, pois são encontrados em ambientes aquáticos permanentes - conhecidos como veredas - e se desenvolvem em pequenas nascentes que drenam as áreas de campo. A expedição de coleta abrangeu a porção leste drenada pela bacia do Rio Paraná, no Mato Grosso do Sul.

“Este trabalho foi um grande desafio, pois saímos do local onde estamos acostumados a trabalhar e nos aventuramos pelas veredas do Cerrado. Durante 12 dias intensos de pesquisas, desbravamos um bioma completamente diferente e, como recompensa, tivemos a descoberta dessas espécies que representam uma grande vitória para nós e para o meio ambiente”, declarou Matheus Volcan, responsável técnico do projeto.

As espécies são endêmicas da região e pouco conhecidas pelas pessoas e, embora recém-descobertas, já são consideradas ameaçadas de extinção. Por seu tamanho reduzido - cerca de 3 centímetros - e pelos locais onde vivem e se desenvolvem, esses peixes muitas vezes não são notados pela população e são muitas vezes desconsiderados ou negligenciados em estudos de licenciamento ambiental - fator que contribui para o desaparecimento das espécies. “O desconhecimento da sociedade, e principalmente dos gestores ambientais órgãos ambientais, é um dos grandes fatores que causam a perda e degradação do ambiente onde as espécies habitam. A construção de um açude ou até mesmo de uma estrada em uma área de ocorrência da espécie pode eliminá-la totalmente e levá-la à extinção”, alerta o pesquisador.

O estudo foi reconhecido no meio científico por meio de um artigo publicado recentemente pelo periódico Zoosystematics and Evolution, que pode ser conferido neste link. Para a diretora executiva da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Malu Nunes, os dados sobre as novas espécies servem também para obter mais informações do Cerrado como um todo. “A descoberta desses animais é uma grande conquista para os pesquisadores envolvidos no projeto e para a sociedade. Nesse caso, poder ampliar o campo de pesquisa se tornou ainda mais enriquecedor, tanto para a ciência quanto para os profissionais que estão à frente do projeto”, destaca.

Sobre a Fundação Grupo Boticário

A Fundação Grupo Boticário é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial. A Fundação Grupo Boticário apoia ações de conservação da natureza em todo o Brasil, totalizando mais de 1.500 iniciativas apoiadas financeiramente. Protege 11 mil hectares de Mata Atlântica e Cerrado, por meio da criação e manutenção de duas reservas naturais. Atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e nas políticas públicas, além de contribuir para que a natureza sirva de inspiração ou seja parte da solução para diversos problemas da sociedade. Também promove ações de mobilização, sensibilização e comunicação inovadoras, que aproximam a natureza do cotidiano das pessoas.

Compartilhar::

Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...: https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

Separador
IMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...  www.segs.com.br
Separador
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar que voce sera atendido. - Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta totalmente automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
Separador

ADICIONE SEU COMENTÁRIO..::
Aja com responsabilidade, aos SEUS COMENTÁRIOS em Caso de Reclamação, nos reservamos o Direito, a qualquer momento de Mudar, Modificar, Adicionar, ou mesmo Suprimir os comentarios de qualquer um, a qualquer hora, sem aviso ou comunicado previo, leia todos os termos... CLIQUE AQUI E CONHEÇA TODOS OS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO. - O Nosso muito obrigado - Esta ferramenta é automatizada...Sucesso!


voltar ao topo