Brasil, 29 de Setembro de 2016
A- A A+

TOKIO MARINE SEGURADORA

Consumidor deve estar atento às cláusulas abusivas na devolução de imóveis

  • Escrito por  GPCom Comunicação Corporativa
  • Publicado em Demais
  • Imprimir
  • E-mail
  • Compartilhar::

Consumidor deve estar atento às cláusulas abusivas na devolução de imóveis

Escritório de advocacia Arruda Botelho & Pestre Liso alerta que algumas construtoras tentam reter até 90% do valor pago, e comprador deve ingressar com ação para ter direito à devolução adequada dos recursos até então gastos com a aquisição

O elevado índice de devolução de imóveis – que atingiu 41% em 2015, segundo levantamento realizado pela agência de classificação de riscos Fitch – está ampliando o número de ações judiciais envolvendo situações de distrato entre os compradores de imóveis e as construtoras / incorporadoras. A questão central da polêmica é o valor que as empresas devem devolver aos compradores. Caio Arruda Botelho, da sociedade de advogados Arruda Botelho & Pestre Liso, adverte para o fato de que muitos contratos trazem cláusulas abusivas, nos quais se vê prevista a devolução ao consumidor de apenas 10% do valor pago por ele até então, enquanto a justiça entende que a chamada ‘retenção’ deve girar entre 10% e 20%, apenas.

“Independentemente do percentual, quase sempre abusivo, indicado pelas construtoras e incorporadoras em seus contratos, o consumidor não deve desistir de ter de volta, em caso de distrato, de 80% a 90% daquilo que pagou até então, inclusive à vista”, alerta Arruda Botelho. Ele explica que, ao solicitar o distrato, o consumidor passa a ter direito à devolução dos valores até então pagos, descontado algum valor em favor da incorporadora para cobrir suas despesas administrativas. “Ocorre, entretanto, que os compromissos de compra e venda, em geral, estipulam percentuais de retenção altíssimos, que podem chegar até a 90%”, afirma.

A Justiça tem reconhecido esses abusos e exigido que tais percentuais sejam revistos. Em geral, segundo o advogado, a determinação é de que as incorporadoras retenham um percentual entre 10% e 20% sobre aquilo até então quitado pelo consumidor, que poderá pleitear, conforme já explicado, a devolução de 80% a 90% dos recursos até então gastos.

Outro ponto que gera polêmica é a proposta de algumas construtoras de que os valores sejam devolvidos de forma parcelada. “O STJ já se posicionou no sentido de que o parcelamento é abusivo, e de que a devolução, portanto, deve ser feita em parcela única”, lembra o sócio do escritório Arruda Botelho & Pestre Liso.

“Sempre vale uma tentativa de negociação em caso de distrato, mas o que se vê, em geral, é uma perda de tempo do consumidor, que fica esperando por uma solução satisfatória, enquanto sua dívida vai aumentando, uma vez que a rescisão ainda não aconteceu”, observa Arruda Botelho.

Por fim, indica que devem ser pedidas medidas de urgência perante a Justiça, para liminarmente conseguir-se a rescisão: “Com isso, toda e qualquer atraso do consumidor cessa e ele não pode ser apontado em órgão de proteção ao crédito, nem tampouco pode vir a ser cobrado quanto às parcelas em aberto”, destaca.

Para evitar o risco da devolução do imóvel, principalmente na conjuntura econômica atual, o advogado recomenda que haja muito cautela na aquisição, avaliando se terá dinheiro para pagar o imóvel, inclusive considerando a correção das parcelas pela inflação, eventuais juros e quais outros riscos pode haver no cenário, por exemplo, de perda do emprego. Em caso de investidor, é importante avaliar se o imóvel terá real liquidez quando ficar pronto, se será fácil alugá-lo e, ainda, se o comprador terá recursos para cobrir os custos de IPTU e condomínio, enquanto a locação não ocorrer.

 

Compartilhar::

Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...: https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

Separador
IIMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte.
 www.segs.com.br

Separador
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar que voce sera atendido. - Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta totalmente automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
Separador

voltar ao topo

Compartilhar ou Seguir

Sobre nós::

Siga-nos::

Notícias::

Mais Itens::

SEGS NO SEU IDIOMA::
Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Ao se cadastrar, você aceita todos os Termos e Condições de Uso do Segs.com.br que consta no rodapé de todas as páginas do SEGS.