Brasil, 27 de Setembro de 2016
A- A A+

TOKIO MARINE SEGURADORA

Evento gerador de novos negócios

  • Escrito por  Talita Caetano / Márcia Brandão Azevedo
  • Publicado em Demais
  • Imprimir
  • E-mail
  • Compartilhar::

O Dia do Fornecedor Gamesa mostrou aos associados da ABIMAQ as oportunidades de negócios oferecidas pelo setor de energia eólica

Realizado no dia 24 de fevereiro, na sede da ABIMAQ, o evento promovido pela filial brasileira da espanhola Gamesa – um dos principais fabricantes mundiais de aerogeradores – despertou o interesse de um grande número de empresas dispostas a ampliar seus negócios em um setor que está passando longe da crise. "Este evento certamente vai oferecer oportunidades para a geração de novos negócios às empresas associadas à ABIMAQ", ressaltou o presidente do Conselho de Administração da entidade, Carlos Pastoriza, na cerimônia de abertura.

Na primeira palestra do evento, o presidente do Conselho de Energia Eólica (CEE) da ABIMAQ, Roberto Veiga, analisou a situação e as perspectivas do setor eólico no Brasil. "Segundo consta no site da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), o Brasil tem, hoje, 8,2 GW de energia eólica instalados dentro dos 18 GW já contratados, e os investimentos no setor devem totalizar R$ 45 bilhões para os próximos quatro anos. As empresas que quiserem participar desse mercado precisam observar o setor como uma oportunidade real de participação e decidirem entrar para ficar ”, ressaltou Veiga.

A seguir, José Antonio Miranda, CEO da Gamesa da América Latina, falou sobre a atuação da empresa no Brasil e no mundo. "Há 22 anos, nossa empresa se dedica exclusivamente ao setor eólico, tendo atingido 33,5 GW de capacidade instalada em 49 países, com quatro produtos plataforma, de 2,0; 2,5; 3,3 e 5,0 MW", destacou Miranda.

Edgar Corrochano, CEO da Gamesa do Brasil, falou da importância dos fornecedores nos negócios da empresa. "Nós compramos 80% daquilo que vendemos. Nosso desafio é transformar a Gamesa Brasil em uma plataforma de exportação. Hoje, porém, isso não é possível porque nossos insumos têm custo 30% superior ao das outras fábricas da empresa no mundo", explicou Corrochano.

A presidente da ABEEólica – Associação Brasileira de Energia Eólica, Elbia Silva Gannoum, abordou o futuro do setor no Brasil, ressaltando que o país é o segundo mais atrativo no mundo em energia renovável. "Nosso modelo de leilões tem se mostrado eficiente e tem sido copiado por outros países. Hoje, há cerca de 9,0 GW de capacidade instalada e, em geração efetiva, o setor equivale à usina de Belo Monte em geração", relatou Elbia. Outra informação importante foi a realização de dois leilões de reserva ainda este ano (1º e 2º semestres), o que daria uma visibilidade de continuidade ao setor para os anos de 2018 e 2019.

O cenário da mão de obra para as atividades do setor eólico foi o tema de Diogo Forghieri Vidal, representante da Randstad, empresa de soluções em Recursos Humanos, com forte presença no setor eólico. "Andando na contramão dos outros segmentos, o setor eólico oferece perspectivas positivas para o mercado de mão de obra, com a possibilidade de manter 45 mil empregos anuais", disse Vidal.

Guilherme Arantes, do BNDES, falou das regras específicas do banco para aerogeradores, com ênfase no índice de nacionalização. Segundo ele, o efeito dessas regras na cadeia de produção foi o surgimento de novas oportunidades para a cadeia de fornecimento, criando novas fábricas, expansões e empregos, “pelo menos 50 novos investimentos em novas plantas e ampliações com investimentos da ordem de R$ 1 bilhão foram realizados desde então”.

Bruno Muller, da área de financiamentos do BNDES, enfatizou que não vai faltar financiamento em infraestrutura ao setor de geração de energia e nem recursos para incentivar o setor eólico.

Bruno Plattek, da área de Bens de Capital do BNDES, explicou as diretrizes do BNDES ProBK, linha de crédito para bens de capital, e afirmou que "o setor eólico é um dos mais relevantes, com demanda perene, previsível e regulada".

Manuel Uribarri, diretor de Compras da Gamesa da América Latina, e Rodrigo Ferreira, diretor de Compras do Brasil, explicaram as oportunidades oferecidas pela empresa para a cadeia produtiva. Uribarri frisou que as ações e diretrizes da empresa junto aos seus parceiros ultrapassam as exigências do BNDES, para reduzir os riscos e melhorar os custos. Ferreira reiterou a necessidade de melhorar a produtividade para viabilizar a exportação de equipamentos, contando com parcerias que possibilitem uma visibilidade de longo prazo para os parceiros da empresa.

Murilo Okazaki, do Departamento de Tecnologia, Pablo Pérez, diretor de Qualidade e HSE, e Miguel García, diretor Industrial, trataram do desenvolvimento da cadeia de fornecimento da Gamesa. Para Okazaki, a evolução da tecnologia tem sido um fator fundamental para o sucesso da empresa. Pérez falou dos princípios adotados com vistas a melhorar continuamente a qualidade, com ênfase na garantia da segurança e saúde dos funcionários. Já García reiterou que os custos de produção no Brasil são 30% superiores aos das outras unidades da Gamesa, quando comparados ex-works, e cerca de 7% colocados no Brasil, sendo necessário reduzir esse gap, para que a empresa tenha condições de fornecer aos países da região.

RODADA DE NEGÓCIOS

Mais de 300 pessoas participaram das palestras, superando as melhores expectativas de público. Além disso, representantes de empresas, interessadas em obter informações detalhadas sobre as possibilidades de se tornarem fornecedores do setor de energia eólica, reuniram-se com compradores técnicos da Gamesa na Rodada de Negócios, ocorrida após as palestras.

“Acredito que o evento superou as expectativas e pode de uma maneira clara e objetiva mostrar as oportunidades do setor como um todo, abordando as particularidades de um dos sete fabricantes instalados no Brasil, a Gamesa, e também contando com esclarecimentos sobre metodologias aplicadas à contratação no setor, seja de fornecedores, mão de obra e o necessário financiamento a todos os elos dos projetos para desenvolvimento do setor eólico no Brasil” concluiu Veiga.

Compartilhar::

Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...: https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

Separador
IIMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte.
 www.segs.com.br

Separador
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar que voce sera atendido. - Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta totalmente automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
Separador

voltar ao topo

Compartilhar ou Seguir

Sobre nós::

Siga-nos::

Notícias::

Mais Itens::

SEGS NO SEU IDIOMA::
Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Ao se cadastrar, você aceita todos os Termos e Condições de Uso do Segs.com.br que consta no rodapé de todas as páginas do SEGS.