Brasil, 30 de Setembro de 2016
A- A A+

TOKIO MARINE SEGURADORA

Brasil ganha o primeiro centro de pesquisas em Grafeno da América Latina

Com investimento avaliado em R$ 100 milhões, o Mackenzie chega ao futuro com a inauguração do MackGraphe, que reafirma o Brasil no cenário mundial com "a matéria-prima do século 21".

Atualmente, a tecnologia é mais do que necessária à rotina do ser humano. Smartphones, tablets, motores híbridos, TVs de ultradefinição, miniprojetores e casas inteligentes são traços da modernidade já presentes em todos os aspectos do dia a dia. E sempre em constante mudança.

Agora, imagine todas essas amplas possibilidades acrescidas de uma vantagem, como o uso de matéria-prima cuja resistência é 200 vezes superior à do aço, praticamente transparente, impermeável e flexível. Isso fará parte da rotina de todos no Planeta até a próxima década, graças ao grafeno. Este material – comparado ao silício – propiciará avanços científicos e tecnológicos sem precedentes.

Essa realidade tecnológica passa a fazer parte da vida dos brasileiros, com a inauguração do primeiro Centro de Pesquisa Avançadas em Grafeno da América Latina, o MackGraphe, construído pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie (IPM) e a Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM). Será entregue à comunidade científica no próximo dia 2 de março, às 17h, no campus Higienópolis (Rua Itambé, em São Paulo).

A solenidade contará com a participação dos gestores do Mackenzie, presidente e integrantes do seu Conselho Deliberativo, reitor e diretores da Instituição. Já confirmaram presença autoridades dos governos Federal e do Estado, órgãos de fomento e pesquisa e comunidade acadêmica. O evento terá a presença do Prêmio Nobel de Física 2010, o físico russo Sir André Geim, e do brasileiro Antonio Hélio de Castro Neto, físico e atual diretor da Centre for Advanced 2D Materials da National University of Singapore e professor visitante do MackGraphe.

Mesmo com a retração econômica no País, o Mackenzie já investiu R$ 100 milhões nesse promissor ramo de pesquisa, nos últimos dois anos. O empreendimento terá grande influência no campo da engenharia aplicada e da inovação tecnológica. O edifício conta com área superior a quatro mil metros quadrados, distribuídos em nove pavimentos (sete andares e dois subsolos). Além dos laboratórios com equipamentos de ponta, os 15 pesquisadores envolvidos nos projetos de pesquisas de grafeno e materiais bidimensionais têm à disposição uma sala limpa “Classe 1.000”, com 200 metros quadrados (área com controle de partículas), que mantém o ambiente extremamente higienizado, para não prejudicar os experimentos.

Mackenzie chega ao futuro

De acordo com o presidente do IPM, Dr. Maurício Melo de Meneses, a inauguração do MackGraphe coloca o Brasil na corrida mundial na busca de desenvolvimento tecnológico. “Pesquisas e produtos em grafeno já são o foco de grandes universidades do mundo e, agora, com o apoio da Fapesp, nós colocamos a América Latina nesse patamar. A parceria com indústrias brasileiras tornará tangíveis as nossas descobertas e possibilitará melhor resultado na competitividade mundial. Com essa inauguração, o Mackenzie chega ao futuro”.

Inserida na tradição do pensamento reformado calvinista, a Igreja Presbiteriana do Brasil (IPB) adota as Escrituras Sagradas como regra de fé e prática. Segundo o chanceler do IPM, Davi Charles Gomes, esse pensamento bíblico produziu uma cosmovisão cristã que reconhece os mandatos divinos criacionais, dentre os quais está a incumbência de desenvolver a cultura. E conta que, assim, o ser humano recebeu a ordenança de governar, cuidar e fazer prosperar a criação. Homens como Newton, Locke, Dalton e Francis Collins refletem exatamente esse espírito de descoberta que expressa o mandato cultural da instituição. “Estudos científicos com grafeno e seu desejável progresso coadunam-se com a cosmovisão cristã e, finalmente, com os deveres dados aos seres humanos na criação e revelados nas Escrituras. Com efeito, a IPB apoia todo progresso humano que atenda ao dever primordial e bíblico de glorificar o nosso Criador”, destaca.

Com status de material mais resistente e fino do Planeta, além de um excelente condutor de eletricidade e calor, o grafeno é o futuro da tecnologia mundial, com potencial de movimentar um mercado de US$ 1 trilhão em vários setores: defesa, eletroeletrônicos, semicondutores, produtos como plástico ou látex, televisões e smartphones, com displays flexíveis e transparentes. Além disso, estudos recentes revelam que o material também pode ser utilizado na filtragem de água.

Para o reitor da UPM, prof. Dr. Benedito Guimarães Aguiar Neto, a pesquisa com o grafeno é estratégica e permite o uso de todo o potencial dos pesquisadores existentes na universidade. “Perdemos a corrida do silício, a principal matéria-prima na industrialização de chips e outros componentes eletrônicos. Temos o desafio de inserir o Brasil no mapa da inovação, com o desenvolvimento de pesquisas e patentes que tragam benefícios para a sociedade e contribuição à competividade nacional”.

Eunézio Antônio Thoroh de Souza, coordenador do MackGraphe, afirma que nos próximos 20 anos veremos o grafeno presente em diversas tecnologias em nosso dia a dia e outras que ainda nem imaginamos, pois um novo material permite criar novas tecnologias. “Estamos fazendo o dever de casa: aproveitando oportunidades e nos tornando personagens atuantes no campo da inovação. Vivemos uma nova era; um novo Mackenzie”, ressalta.

Com isso, a interação com empresas mostra-se uma prioridade. O MackGraphe colaborará com a indústrias nacionais e multinacionais. Além disso, os estudantes terão a possibilidade de desenvolver projetos no centro de pesquisa, buscar financiamento e criar suas próprias empresas de tecnologia voltadas ao grafeno, ou seja, a universidade pretende criar um spin-off a partir das pesquisas. Além de gerar riquezas para o Brasil, os estudos criarão empregos sofisticados, em um processo nacional de autossuficiência científica e tecnológica.

Perspectivas do Grafeno

Diante da popularidade crescente, é fato que há interesse na utilização do material por parte das grandes potências mundiais. A China, por exemplo, já possui cerca de 2.204 patentes registradas em produtos com grafeno, seguida dos Estados Unidos, com 1.754, e a Coréia do Sul, com 1.160. "Existe uma verdadeira corrida por trás de tudo isso. Apenas a Samsung (gigante sul-coreana de tecnologia), tem mais de 500 patentes. Há um potencial gigantesco no material", explica Thoroh.

A produção mundial de grafita natural em 2013 foi de 1,1 milhão de toneladas, enquanto a China foi responsável por 70,4% da produção total, seguida pela Índia, Brasil, Coreia do Norte e Canadá, mantendo os números do ranking produtivo feito em 2012. Em escala menor, esse mineral foi produzido nos seguintes países: Rússia, Turquia, México, Noruega, Romênia, Ucrânia, Madagascar e Sri Lanka.

Nesse cenário, o Brasil manteve o terceiro lugar dentre os principais produtores mundiais de grafita. A América do Sul detém a principal ocorrência do material, com grandes reservas e infraestrutura para permitir o crescimento da produção. As reservas brasileiras estão primariamente nos estados de Minas Gerais, Ceará e Bahia.

Em 2013, a produção brasileira do mineral natural beneficiada foi de 91.908 t de minério (65 mil toneladas de contido), com acréscimo de 4,2% (3.808 t) em relação ao ano de 2012. A maior empresa produtora de grafita natural beneficiada no Brasil é a Nacional de Grafite Ltda., responsável por 96% do total, no ano de 2013, estabelecida no Estado de Minas Gerais, nos municípios de Itapecerica, Pedra Azul e Salto da Divisa, conforme o Informe Mineral 2015 do DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral.

Atualmente, 1 kg de grafite custa US$ 1 e dele pode-se extrair 150g de grafeno, avaliado em pelo menos US$ 15 mil, uma fantástica valorização. Prevê-se que o mercado de grafeno terá potencial para atingir até US$ 1 trilhão em 10 anos. E o melhor: estima-se que o Brasil possua a maior reserva mundial, segundo relatório publicado em 2012 pelo DNPM.

SERVIÇO:

Inauguração do MackGraphe

Data: 02/03/2016 (quarta-feira)

Horário: 17h

Local: Universidade Mackenzie, campus Higienópolis (Rua Itambé, 143, prédio 12)

Conferência Científica ministrada pelo Prêmio Nobel

Data: 03/03/2016 (quinta-feira)

Horário: 10h

Local: Universidade Mackenzie, campus Higienópolis (Rua Itambé, 143, prédio 12)

Compartilhar::

Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...: https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

Separador
IIMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte.
 www.segs.com.br

Separador
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar que voce sera atendido. - Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta totalmente automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
Separador

voltar ao topo

Compartilhar ou Seguir

Sobre nós::

Siga-nos::

Notícias::

Mais Itens::

SEGS NO SEU IDIOMA::
Portuguese English French German Italian Russian Spanish