Brasil, 29 de Setembro de 2016
A- A A+

TOKIO MARINE SEGURADORA

Brasil precisa de ação para superar crise no setor de óleo e gás

Em seminário realizado pela JLT Brasil Resseguros, analistas reconhecem que desafios são grandes, mas mostram otimismo e dizem que o setor – e o País – sairão fortalecidos da crise.

Temos fotos do evento

O setor de petróleo e gás tem condições de superar a crise provocada pela queda do preço do barril de petróleo e pelo impacto da operação Lava-Jato sobre a Petrobras, mas a saída vai exigir muito esforço de todos os agentes - privados e públicos. Essa constatação permeou os debates do 7º Seminário de Petróleo e Gás da JLT Brasil Resseguros, realizado nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro.

"O Pré-sal foi a bolha do Brasil. Anunciaram e o Brasil parecia que tinha virado um país rico. Não era. Exigia muitos investimentos. O bom dessa quebradeira geral é que os mais eficientes vão sobreviver. Daqui a 10 anos, teremos empresas muito mais saudáveis", resumiu o presidente da holding JLT Brasil, Nicolau Daudt, no encerramento do evento.

Já na abertura, Adriano Oka, vice-presidente de Petróleo e Gás da JLT Brasil Resseguros, idealizador do evento, destacou a necessidade de o Brasil retomar os investimentos no setor. Segundo ele, é preciso reverter o movimento de desinvestimento da indústria no país que chega a 40%, bem maior que os 20% verificados mundialmente no setor.

"O petróleo continuará a ser estratégico. Precisamos de uma política de atração de novos investidores mais agressiva ou corremos o risco de não termos produção suficiente quando o petróleo voltar a se valorizar", disse, destacando a necessidade de as empresas se adaptarem a nova realidade. "Ainda viveremos alguns anos neste cenário de baixa, mas o preço do barril não está muito distante da média histórica dos últimos 60 anos quando excluímos os dois picos de alta, ocorridos na década de 70 e na primeira metade dessa década".

No primeiro painel, o professor de economia da PUC- RJ, Alfredo Renault, consultor da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP) destacou que mesmo diante do cenário macroeconômico conturbado, que já vinham desenhando desde de 2015, o Brasil encerrou o ano em sexto colocado em produção petrolífera, sendo que cerca de um terço desse volume veio dos projetos do Pré-Sal. Contudo, 40 % desse volume ainda não foi contratado.

Claudia Rabello, ex-superintendente da ANP e fundadora da consultoria OGE, defendeu mudanças no marco regulatório para que os investidores retomem o interesse pela indústria petrolífera no país. O ponto crucial, e que consta no projeto de lei do Senador José Serra, é acabar com a obrigatoriedade da Petrobrás participar de 30% de todos os projetos do Pré-sal.

Para o advogado Álvaro Palma de Jorge, sócio do escritório Palma Guedes, é preciso melhorar o padrão de relacionamento do setor público e privado é o grande desafio da Lei Anticorrupção. No segundo painel, Jorge e o consultor de segurança e risco, Carlos Roberto Coutinho, ressaltaram o elevado grau de responsabilização das empresas e de seus executivos estabelecido pela legislação anticorrupção brasileira.

Eles frisaram que há previsão de punição mesmo quando não há prova de dolo, ou seja, quando a prática ilegal não foi decorrente de uma orientação corporativa. "Não é dado ao líder o direito de falar que não sabia. E, se não estiver preparado para a crise, ela cobra o preço", resumiu Coutinho.

Jorge lembrou que a legislação internacional anticorrupção decorre de um acordo na OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) para resolver um problema que desequilibra a competição. Mas a Lei Anticorrupção brasileira tem um conjunto de normas mais fluidas e passíveis de interpretações do que legislações semelhantes de outros países, o que aumenta o risco para as empresas, avalia. Além disso, não considera o padrão histórico brasileiro, no qual agentes públicos, nomeados por critérios políticos, têm grande poder sobre as atividades privadas.

"Todo mundo de bom senso entende a importância do combate à corrupção. Mas a visão do estado como ser supremo em relação à sociedade é uma questão importante quando se trata de corrupção. Se a relação entre empresas e estado contratante não mudar, não vamos resolver a situação. Não se pode obrigar apenas as empresas a ter regras e reduzir o risco de atos de corrupção", disse o advogado.

SOBRE A JLT

A JLT - Jardine Lloyd Thompson – companhia inglesa integrante do Grupo Jardine Matheson - é uma das maiores empresas especializadas em gestão de riscos, corretagem de seguros e resseguros e consultoria em benefícios em todo o mundo. Com cerca de 11 mil funcionários e atuação em mais de 135 países, está entre as quatro maiores corretoras de seguros e resseguros do mundo, sendo a maior não-americana com seu capital aberto na bolsa de valores em Londres. O faturamento mundial no ano passado foi de US$ 1,7 bilhão.

No Brasil, o grupo atua desde 1989 e está presente nas mais importantes cidades de todas as regiões do país. São mais de 400 colaboradores e escritórios localizados no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Macaé, Porto Alegre, Recife e Salvador capazes de atender a toda demanda nacional. Em 2015, administrou R$ 1,8 bilhão em prêmios, com um atendimento multidisciplinar capaz de oferecer soluções inovadoras e diferenciadas para os clientes.

Compartilhar::

Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...: https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

Separador
IIMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte.
 www.segs.com.br

Separador
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar que voce sera atendido. - Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta totalmente automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
Separador

voltar ao topo

Compartilhar ou Seguir

Sobre nós::

Siga-nos::

Notícias::

Mais Itens::

SEGS NO SEU IDIOMA::
Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Ao se cadastrar, você aceita todos os Termos e Condições de Uso do Segs.com.br que consta no rodapé de todas as páginas do SEGS.