A- A A+

TOKIO MARINE SEGURADORA

Cachorro de muitos donos

  • Escrito por  Tatiana Freitas
  • Publicado em Demais
  • Imprimir
  • Compartilhar::

Ciro Antonio Rosolem, Vice-Presidente de Estudos do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor Titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu). Ciro Antonio Rosolem, Vice-Presidente de Estudos do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor Titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu).

Qualquer país precisa ter uma política agrária. É evidente que uma política agrária tem vários desdobramentos, detalhes, particularidades, mas deve, principalmente, cuidar da produção de alimentos, fibras e energia, sem descuidar do ambiente e da economia, preservando a atividade agrícola, as pessoas envolvidas e garantindo a segurança alimentar.

Para a consecução da política agrícola são necessários instrumentos e órgãos especializados. É fundamental a elaboração de prioridades no desenvolvimento de novas tecnologias, patrocinando a elaboração de estudos e pesquisas que resultem em conhecimento e produtos que, empregados pelos agentes do agronegócio, resultem em benefícios à população. Nas mais diversas cadeias de produção agrícola, agricultores e pecuaristas se constituem em elo fundamental. Uma política agrícola digna do nome deve sempre considerar esse fator, independentemente de qualquer outro. Enfim, uma política agrícola visa, entre outras coisas, o desenvolvimento agrário.

Embora cada cadeia produtiva tenha especificidades, deve haver uma política que as contemple sem distinção. Aqui, é impossível separar grandes, médios e pequenos produtores, agricultura familiar e agricultura não familiar, agricultura convencional, orgânica, biodinâmica e outras. É um grave engano a divisão entre agricultura empresarial e familiar, pois essa divisão leva a distorções importantes na aplicação de política agrícola. Há pequenos agricultores muito tecnificados, verdadeiras empresas familiares, e há propriedades médias e grandes sem tecnologia e sem condições de evoluir na escala técnico-econômica. Admitir a divisão mostra, no mínimo, total desconhecimento do setor, ou então, má fé.

Desta forma, em qualquer análise que faça, não se justifica a existência de dois ministérios para a agricultura brasileira. Ora, como poderia um Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento não contemplar todas as cadeias produtivas, independente do tamanho do produtor? É evidente que os problemas do campo são diferentes em cada região, em cada atividade, em cada tamanho de propriedade, em cada escala econômica. Vamos então criar um ministério para cada problema existente?

Por exemplo, a extensão rural, que tem por objetivo levar tecnologia a todos os produtores, é falha no Brasil. Melhor em alguns estados, mas não se vislumbra o desenvolvimento de um programa sério de extensão. O financiamento de treinamentos, cursos, e que tais, passando por ONGs e entidades ligadas aos tais “Movimentos Sociais” já se mostrou completamente improdutivo. Precisa-se recriar um Ministério para voltarmos a ver, novamente, este mau uso do dinheiro público? Não seria o caso do Ministério da Agricultura estabelecer prioridades e implementar a extensão rural, ou coordenar o trabalho das Secretarias Estaduais de Agricultura, sem ideologia, sem divisões estapafúrdias por tamanho e origem da propriedade? Este é apenas um exemplo, existem muitos outros.

Precisamos aproveitar o clima de mudanças, começar a operar também tecnicamente os ministérios que, por origem, são técnicos. Enquanto se criarem ministérios e empresas públicas com o único intuito de acomodar parceiros e ideologias, o Brasil continuará um passo atrás do mundo. Não se justifica a recriação do tal de Ministério do Desenvolvimento Agrário. O setor agrícola brasileiro merece respeito, merece políticas públicas que permitam seu desenvolvimento, não que entravem o desenvolvimento. Afinal, como diz o caboclo, se o governo não atrapalhar, dá pra trabalhar.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel

Compartilhar::

Participe do GRUPO SEGS - PORTAL NACIONAL no FACEBOOK...: https://www.facebook.com/groups/portalnacional/

Separador
IIMPORTANTE.: Voce pode replicar este artigo. desde que respeite a Autoria integralmente e a Fonte...
 
www.segs.com.br
Separador
No Segs, sempre todos tem seu direito de resposta, basta nos contatar que voce sera atendido. - Importante sobre Autoria ou Fonte..: - O Segs atua como intermediario na divulgacao de resumos de noticias (Clipping), atraves de materias, artigos, entrevistas e opinioes. - O conteudo aqui divulgado de forma gratuita, decorrem de informacoes advindas das fontes mencionadas, jamais cabera a responsabilidade pelo seu conteudo ao Segs, tudo que e divulgado e de exclusiva responsabilidade do autor e ou da fonte redatora. - "Acredito que a palavra existe para ser usada em favor do bem. E a inteligencia para nos permitir interpretar os fatos, sem paixao". (Autoria de Lucio Araujo da Cunha) - O Segs, jamais assumira responsabilidade pelo teor, exatidao ou veracidade do conteudo do material divulgado. pois trata-se de uma opiniao exclusiva do autor ou fonte mencionada. - Em caso de controversia, as partes elegem o Foro da Comarca de Santos-SP-Brasil, local oficial da empresa proprietaria do Segs e desde ja renunciam expressamente qualquer outro Foro, por mais privilegiado que seja. O Segs trata-se de uma Ferramenta totalmente automatizada e controlada por IP. - "Leia e use esta ferramenta, somente se concordar com todos os TERMOS E CONDICOES DE USO".
Separador

voltar ao topo

Sobre nós::

 

Siga-nos::

Notícias::

Mais Itens::